Uma visão dos nossos históricos anos sessenta e um pouco antes

Voltar  para  Página Inicial

Ir  para  "Lendas e histórias"

Pilotos:
Agnaldo de Goes Aldo Costa Alfredo Santilli Amauri Mesquita Antonio C. Aguiar Arlindo Aguiar Aroldo Louzada Bica Votnamis
Bird Clemente Bob Sharp Breno Fornari Caetano Damian Camillo Christofaro Carlos Sgarbi Catharino Andreatta Celso L. Barberis
Christian Bino Heins Ciro Cayres Domingos Papaleo Eduardo Celidonio Emerson Fittipaldi Emilio Zambelo Ênio Garcia Eugênio Martins
Francisco Lameirão Fritz D'Orey Graziela Fernandes Haroldo Vaz Lobo Henrique Casini Jan Balder Jaime Pistili Jayme Silva
José Tôco Martins Júlio Andreatta Luiz A. Margarido Luiz Carlos Valente Luiz Pereira Bueno Luiz Valente Marinho Nicola Papaleo
Nilo de Barros Vinhaes Norman Casari Orlando Menegaz Nastromagario Pedro C. Pereira Piero Gancia Raphael Gargiulo Ricardo Rodrigues de Moraes
Roberto Gallucci Roberto Gomez Salvador Cianciaruso Toninho Martins Victorio Azzalin Vitório Andreatta Waldemar Santilli Zoroastro Avon
Preparadores e/ou construtores:
Anísio Campos Jorge Lettry Miguel Crispim Nelson Brizzi Toni Bianco Victor Losacco    
Pioneiros:
Ângelo Juliano Benedicto Lopes Chico Landi Chico Marques Gino Bianco Hermano da Silva Ramos Irineu Correa João R. Parkinson
Manuel de Teffé Nascimento Junior Norberto Jung Sylvio A. Penteado Villafranca      

 

Página acrescentada em 22 de outubro de 2005.
 
Waldemar Santilli
por Paulo Roberto Peralta

Clique aqui e veja uma entrevista com esse ex-piloto, em 1961
 

1960

Nasceu no bairro da Lapa em São Paulo no dia 14 de julho de 1926. Filho de Antonio Santilli, que tinha uma oficina mecânica e onde cedo começou a trabalhar, tomando gosto pela mecânica, depois foi trabalhar em oficinas de retífica e se especializando nessa atividade, até que em 7 de junho de 1951, aos 25 anos de idade, abriu em sociedade com os irmãos Afonso e Nelson e mais quatro tios uma oficina especializada em retifica de motores, a Retífica Eclipse no bairro da Lapa. Dizia: “...juntamos capital e força, mais força que capital, pois como todos já haviam trabalhado em diversas retíficas tinham muita experiência acumulada.

1956 - Com Pontiac - Premio Benedicto Lopes

1956 - O carro Eclipse Especial/Ford pronto

Seu tio Alfredo Santilli já havia andado na pista de Interlagos em 1940, uma participação eventual, e reiniciado em 1956, e quando um dia foi com seu Pontiac Hidramático assistir à um treino do tio em 1956 e só por brincadeira, já que na época o controle de acesso à pista não era muito eficiente, colocou o carro na pista para experimentar a sensação, gostou tanto que se inscreveu para a prova do final de semana seguinte, "Premio Benedicto Lopes", prova em prol desse pioneiro piloto campeneiro, resultado da aventura: câmbio quebrou e não terminou a prova, mas foi contaminado pelo vírus da velocidade. Tinha 30 anos de idade, era casado e tinha 2 filhos, depois nasceu mais um.

1957 - Anuncio

1957 - Visita de Fangio

A Retifica Eclipse acabou por virar uma referência entre os automobilistas da época e até Juan Manuel Fangio em uma visita ao Brasil no ano de 1957, já pentacampeão mundial de F1, fez questão de visitá-la.
Seu tio Alfredo Santilli, também automobilista, pela pouca diferença de idade (5 anos) era as vezes identificado pela imprensa da época como seu irmão.

Em fins de 1956, Pedro Santalucia, dirigente do ACB, mas que trabalhava na Retífica Eclipse estava preparando uma prova comemorativa aos 49 anos do ACB e sugeriu à ele que participasse da prova, ele já vinha mesmo construindo na oficina de seu pai, excelente mecânico, um carro Mecânica Nacional com motor Ford. Como essa nova atividade combinava com sua atividade profissional, começou a correr, mas sempre de forma amadora, apenas pelo prazer, sem pretensão de fazer carreira.

1956 - Experimentando a carretera nova

Para a “I Mil Milhas Brasileira” de 1956 comprou uma carretera Cadillac no Rio Grande do Sul, o berço das carreteras, e fez dupla com seu tio Alfredo Santilli, mas um problema com a roda dianteira tirou-lhes a chance de uma boa colocação, chegaram em 11º lugar.
Repetiram a dupla também no ano seguinte na “II Mil Milhas Brasileiras” (1957).
No campeonato paulista de 1957 quem usou a carretera e foi campeão na categoria, foi Alfredo Santilli.
Waldemar dedicava-se com mais interesse à categoria Mecânica Nacional, mas num gesto de desprendimento cedeu seu Eclipse Especial para Thomas Aquino Maciel Neto correr na 3ª Etapa do Campeonato Paulista:
"... como se sabe o sr. Thomaz Aquino Maciel Neto, diretor do Conselho Municipal de Esportes, além de grande incentivador de todas as modalidades esportistas, é também um destacado piloto. Fez sua a estréia recentemente numa das primeiras provas do Campeonato Paulista de 1957 pilotando o carro de Waldemar Santilli, tendo sido infeliz devido a defeitos mecânicos..." - A Gazeta Esportiva (04/09/1957)

Com o irmão Nelson correu em dupla as duas primeiras edições do “500 Quilômetros”, estreando o motor Willys na edição de 1957 (a Willys era patrocinadora da prova e cedeu um motor para ele usar), ai correu na categoria Mecânica Nacional abaixo de 2.500cc, não mais na Força Livre.
Seu irmão Nelson nasceu em 1928 e foi também um dos sócios fundadores da Retífica Eclipse, fez três corridas, todas em parceria com Waldemar. Faleceu em 1987 aos 59 anos de idade.

1957 - 500 Quilômetros de Interlagos
Preparando para novo motor
1957 - 500 Quilômetros de Interlagos
Volta de apresentação
1957 - 500 Quilômetros de Interlagos
Curva do Esse, antiga
1957 - 500 Quilômetros de Interlagos
Cruzando a reta em Interlagos
 
1958 - O novo Eclipse Especial 1958 - Mil Milhas Brasileiras - Quebra

Em 1958 com seu novo Eclipse Especial, também construído na oficina e sob supervisão de seu pai, Antônio, equipado equipado com motor Cadillac participou do "II 500 Quilômetros de Interlagos" e depois da prova de inauguração do novo circuito da Barra da Tijuca no Rio de Janeiro.
Encerrou esse ano participando da "III Mil Milhas Brasileiras" em parceria com seu irmão Nelson em uma carretera Chevrolet, mas não concluíram prova. Para essa corrida ele.pegou um Chevrolet e o depenou, instalou motor Corvette transformando-o em uma carretera, mas não concluiu a prova, sofreu a prova todo com superaquecimento. Após participar remontou o carro e vendeu.

1959 - Waldemar não participou de nenhuma prova..

1960 - GP Juscelino Kubitschek - Retão 1960 - GP Juscelino Kubitschek - Retorno 1960 - III 500 Quilômetros de Interlagos 1960 - III 500 Quilômetros de Interlagos

1960 ele retornou na prova da inauguração de Brasília, o “GP Juscelino Kubitschek” para carros de Mecânica Nacional e Esporte, correndo juntos mas com classificação em separado, ficou em 17º lugar na geral. Depois só participou do “III 500 Quilômetros de Interlagos” com esse novo carro em dupla novamente com seu irmão Nelson. Vendeu o outro carro com motor Willys.
Nesse mesmo ano, para encerrar o ano e participar da “V Mil Milhas Brasileiras” pegou um carro Ford V8 e o transformou em carretera, depenando o possível para perder peso e preparando muito bem o motor, dessa vez fez dupla com seu tio Alfredo Santilli, mas também não concluiu a prova. Após a corrida o carro foi todo remontado e vendido.

1960 - V Mil Milhas Brasileiras
Afinando o motor
1960 - V Mil Milhas - Com
Chico Landi e Nelson Santilli
1960 - V Mil Milhas Brasileiras
Carretera Ford V8
1960 - V Mil Milhas Brasileiras
Carretera Ford V8 recolhida nos boxes

Waldemar dizia numa entrevista a um jornal em fins de 1960 que escolhera a categoria Mecânica Nacional devido às dificuldades na aquisição e manutenção dos carros esporte:
“-...a Mecânica Nacional é a categoria que a gente ainda pode competir sem ter despesas fora do alcance."
Ainda nessa entrevista questionado sobre seus adversários respondeu:
“- Todo competidor entra para lutar, por isso respeito todos. Pela técnica Fangio, para mim, foi o máximo.”

1961 - Maserati caida atrás da Curva 3

Em 1961 foi convidado por Arnaldo Pacini para correr o “IV 500 Quilômetros de Interlagos” em dupla.
Pacini havia inscrito dois carros: uma Maserati/Corvette Esporte que havia sido de Juan Manoel Fangio e uma Maserati/Corvette Mecânica Nacional que havia comprado de Luiz Américo Margarido depois dele capotar no ano anterior e que fora recuperada por Victor Losacco. Waldemar escolheu então o Mecânica Nacional, categoria à qual havia dedicado a maior parte de sua carreira, mas esse carro já estava prometido para Roberto Gallucci, então só restava o carro esporte. E foi num dos treinos para "pegar o jeito do carro" que Waldemar se desgovernou e passou reto na curva 3 (da pista antiga), causando, por muita sorte, só ferimentos leves. Geralmente quem se acidentava naquela curva era de forma grave ou fatal. (veja detalhes desse acidente clicando aqui)
“- Comecei com uma brincadeira, e como gostei fiquei até hoje... o perigo existe sempre em todas as competições, porém nem sequer pensamos nele, porque se assim o fizéssemos não estaríamos presente na corrida...” Reportagem de 1960, antes de seu acidente.
Esse carro depois do acidente ficou por vários anos num canto de sua oficina sem nunca ter sido consertado, até ser (parece) vendido no ano de 1970.

Foi aí então que aos 35 anos de idade decidiu parar de correr e encerrou definitivamente sua carreira automobilística, mas continuou na Retifica prestando assistência aos amigos conquistados durante sua carreira, em uma publicação da época tem anotado:
“Waldemar Santilli, comedido, sempre irradiando simpatia e cercado de amigos...”.

Waldemar faleceu em 26 de agosto de 1984 aos 58 anos de idade. Seus filhos deram continuidade à Retífica Eclipse, no Bairro da Lapa em São Paulo por muitas decadas..
 

Participações em provas (com a colaboração de Napoleão Ribeiro)

12/08/1956 - I Prêmio Benedicto Lopes - Interlagos/SP - Pontiac (Hidramático) nº 58 - Tur. - AB = Quebra do câmbio
16/09/1956 - Prova 49° Aniversário do ACB - Interlagos/SP - Eclipse Especial Ford nº 19 - 3.917cc - Cat. Mec. Nac. -
4º Lugar
24/11/1956 - I Mil Milhas Brasileiras - Interlagos/SP - Com Alfredo Santilli - Cadillac nº 90 - 5.442cc -
11º Lugar
09/02/1957 - Abertura do Campeonato Paulista - Mec. Nac.- Interlagos/SP - Eclipse Especial Ford nº 32 - 3.917cc -
AB
25/08/1957 - IV Prova Cinqüentenário do ACB - Mec. Nac.- Interlagos/SP - Eclipse Especial Willys nº 26-A - 2.190cc -
7º na geral e 2º na cat. MN-2.5
07/09/1957 - I 500 Quilômetros de Interlagos/SP - Com Nelson Santilli - Eclipse Especial Cadillac nº 19 - 4.500cc -
9º Lugar
23/11/1957 -
II Mil Milhas Brasileiras - Interlagos/SP - Com Alfredo Santilli - Cadillac nº 96 - 5.200cc - AB
01/12/1957 - VI Prova Cinqüentenário do ACB - Interlagos/SP - Eclipse Especial Cadillac nº 26 - 9º lugar
21/06/1958 - I GP Cinqüentenário da Imigração Japonesa - Interlagos/SP - Cat. TFL - Cadillac nº 96 - 5.290cc -
3º na geral e 2º na cat. TFL
07/09/1958 - II 500 Quilômetros de Interlagos/SP - Com Nelson Santilli - Eclipse Especial Cadillac nº 26 - 5.290cc -
17º na geral e 15º na cat. Mec. Nac.
28/09/1958 - Inauguração Circuito da Barra da Tijuca/RJ - Cat. Mec. Nac. - Eclipse Especial Cadillac nº 26 - 5.290cc -
6º Lugar
22/11/1958 - III Mil Milhas Brasileiras - Interlagos/SP - Com Nelson Santilli - Chevrolet nº 26 - 4.500cc -
AB
23/04/1960 - I G. P. Juscelino Kubitschek - Eixo Rodoviário Sul - Brasília/DF - Eclipse Especial Cadillac nº 26 - 5.290cc -
11º na geral e 5º na cat. Mec. Nac.  (corrida em conjunto com a categoria esporte)
07/09/1960 - III 500 Quilômetros de Interlagos/SP - Eclipse Especial Cadillac nº 26 - 5.290cc -
AB
26/11/1960 - V Mil Milhas Brasileiras - Interlagos/SP - Com Alfredo Santilli - Ford V-8 nº 84 - 4.200cc -
AB
 


VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA
ou
VOLTAR À PÁGINA INICIAL