Uma visão dos nossos históricos anos sessenta e um pouco antes

Voltar  para  Página Inicial

Ir  para  "Lendas e histórias"

Pilotos:
Agnaldo de Goes Aldo Costa Alfredo Santilli Amauri Mesquita Antonio C. Aguiar Arlindo Aguiar Aroldo Louzada Bica Votnamis
Bird Clemente Bob Sharp Breno Fornari Caetano Damian Camillo Christofaro Carlos Sgarbi Catharino Andreatta Celso L. Barberis
Christian Bino Heins Ciro Cayres Domingos Papaleo Eduardo Celidonio Emerson Fittipaldi Emilio Zambelo Ênio Garcia Eugênio Martins
Francisco Lameirão Fritz D'Orey Graziela Fernandes Haroldo Vaz Lobo Henrique Casini Jan Balder Jaime Pistili Jayme Silva
José Tôco Martins Júlio Andreatta Luiz A. Margarido Luiz Carlos Valente Luiz Pereira Bueno Luiz Valente Marinho Nicola Papaleo
Nilo de Barros Vinhaes Norman Casari Orlando Menegaz Nastromagario Pedro C. Pereira Piero Gancia Raphael Gargiulo Ricardo Rodrigues de Moraes
Roberto Gallucci Roberto Gomez Salvador Cianciaruso Toninho Martins Victorio Azzalin Vitório Andreatta Waldemar Santilli Zoroastro Avon
Preparadores e/ou construtores:
Anísio Campos Jorge Lettry Miguel Crispim Nelson Brizzi Toni Bianco Victor Losacco    
Pioneiros:
Ângelo Juliano Benedicto Lopes Chico Landi Chico Marques Gino Bianco Hermano da Silva Ramos Irineu Correa João R. Parkinson
Manuel de Teffé Nascimento Junior Norberto Jung Sylvio A. Penteado Villafranca      

 

Página acrescentada em 18 de outubro de 2005.  -  Atualizado em dezembro de 2020
 
Nicola Papaleo
por Paulo Roberto Peralta
 
  

Nicola chegando para filmagem de uma entrevista

Nasceu no bairro da Bela Vista (Bixiga) em São Paulo no dia 15 de janeiro de 1941, filho de Biagio Papaleo e Mafalda Carozzi Papaleo., teve três irmãos: Domingos, José e João.

Nicola na oficina

Como todos os outros irmãos começou a trabalhar cedo na oficina do pai, Biagio Papaleo, e cedo também foi para as pistas, estreou com 19 anos de idade em 1960. Na década de 60 os pilotos já começavam a correr mais novos, e no caso de Nicola seu pai sendo mecânico e preparador ficou ainda mais fácil.
Biagio era um entusiasta do automobilismo, filho de imigrantes italianos. Apesar de não correr foi um dos fundadores da APVC (Associação Paulista dos Volantes de Competição), trabalhando em muitas provas.

As primeiras corridas de Nicola foram na categoria Mecânica Nacional e foi com assistência do pai e total ajuda dos irmãos, especialmente de Domingos que já havia feito uma corrida e era um apaixonado. Inclusive foi Biagio quem construiu seu mecânica nacional, um chassi Bugatti que foi equipado com motor Ford e inscrito como “7 de Setembro” para o filho correr no “III 500 Quilômetros de Interlagos”, mas após um desentendimento com o pai Nicola quase ficou sem correr, seria substituído por Roberto "Argentino" Gómez que inclusive chegou a treinar com o carro. Mas Nicola fez as pazes com o pai e participou da corrida, só que não foi muito bem, abandonou
O carro foi idealizado para a primeira “500 Quilômetros de Interlagos” em 1957, mas sem tempo e recursos sua conclusão foi sendo adiada e só na terceira edição da prova ele foi para a pista. O nome era uma homenagem à data de realização da prova: 7 de setembro, Dia da Independência. Mas o carro acabou mesmo conhecido por Biagio Especial.
Em uma modesta, mês bem aparelhada, oficina mecânica, Biagio Papaleo cercou-se dos filhos e companheiros de profissão para que todos ouvissem o roncar do motor do “7 de Setembro”, carro que desde fins de 1956 está sendo construído. Quando o barulho ensurdecedor da máquina enchia todos os ouvidos, lágrimas enchiam os olhos do veterano mecânico que via concretizar-se um sonho...” (FSP - 02/09/1960).
Na prova o carro ferveu e parou nos boxes onde trocaram uma mangueira e completaram água e retornou, mas voltou a esquentar excessivamente, quando Biagio mandou Nicola parar de vez.

Fotos - III Circuito de Piracicaba com Biagio/Bugatti/Ford 4200cc. - 1961

Em 1961 participou de duas provas, ambas com abandono por falhas mecânicas, em seguida iria participar da "IV 500 Quilômetros de Interlagos" em dupla com Luiz Valente em seu “Duchen Especial”, e  também com o “7 de Setembro” em dupla com Walter Nogueira Filho, mas com a desistência de Valente por problemas mecânicos correu mesmo só com o carro de seu pai. Quando Nicola estava disputando o “IV 500 Quilômetros de Interlagos”, e enquanto estava nos boxes assistiu ao acidente que vitimou o preparador Victor Losacco e feriu gravemente José Gimenez Lopes na perna, desesperado não quis mais continuar na prova e mandou recolher o carro aos boxes, desistindo, tanto que sua classificação foi por número de voltas, 23º lugar entre os 28 que largaram.

1961 - Carretera do "Chupeta"

Ainda em 61 fez sua primeira participação na prova "Mil Milhas Brasileiras", em dupla e com a carretera de Adalberto Ayres, o "Chupeta".

Só voltou às pistas, como piloto, em 1963 na "II 12 Horas de Interlagos" pilotando um VW; em junho, no "II Prêmio Aniversário ACESP" estreou a Ferrari/Corvette que havia adquirido e que recebeu o nº 14, já estreou chegando em 5º lugar, em 63 fez só mais uma prova, a "VI 500 Quilômetros de Interlagos" com sua recente aquisição, mas não foi feliz, abandonou a prova antes do final.

Casou-se em 14 de dezembro de 1963 com Marlene da Luz Meandos e tiveram duas filhas e um filho. Pouco antes, com 20 anos, havia aberto sua própria oficina mecânica no bairro de Pompéia, em São Paulo.

1964 - 250 Milhas de Interlagos

Em 1964 só fez quatro provas,: "G.P. Rogê Ferreira"; “Constantino Cury” com a Ferrari/Corvette; a "II 12 Horas de Brasília" em dupla e com o carro Simca Rallye de Ivo Noal, bicheiro em São Paulo e por fim a "I 250 Milhas de Interlagos" com a Ferrari/Corvette que depois foi vendida ao Camillo Christofaro.
Amigo de Roberto Gallucci, vencedor dos “500 Quilômetros de Interlagos” de 1962 e 63, e sempre em cima do Camillo, criaram uma equipe, só de brincadeira, chamada “Papalobo”, trocadilho de seu sobrenome Papaleo com “Lobo do Canindé” (equipe do Camillo Christofaro).
“- Ontem houve movimentada reunião de volantes e fãs na oficina de Biagio Papaleo. Gallucci e Nicola Papaleo presentes, foi fundada a Escuderia Papalobo. A Escuderia já conta a prova de domingo (250 milhas) como sua 1ª vitória. (FSP - 29/09/1964)

Com Opala - Mil Milhas de 1973

Mas após participar dessa prova, ele parou de correr por quase 10 anos e só retornou na “XI Mil Milhas Brasileiras” em 1973 pilotando em parceria com Antonio Versa, outro veterano, um Chevrolet Opala na categoria Turismo acima de 3000cc, chegaram em 7º lugar na categoria.

Em 1974, abril, fez com esse Opala mais uma prova e ainda nesse ano fez sua primeira prova ao volante de Fórmula Vê 1300. A categoria foi criada em 1967 como Formula Vê e durou até 1970, entretanto com motor maior foi renomeada para Formula VW 1300 em 1977.

Em 1975, os irmãos Nicola e Domingos Papaleo fizeram sua primeira e única parceria ao volante de um carro de competição, foi em dezembro na prova “III 25 Horas de Interlagos”, onde dividiram a condução do Ford Maverick nº 20 com Uribrando Silveira e conquistaram o 9º lugar na categoria Turismo acima de 3000cc. Após essa corrida deu uma parada que durou quase três anos.

1979 - Prova do Camp. Brasileiro de Fórmula VW 1300 em Interlagos com o Kaimann F-Vê nº 51

1980 - Os dois irmãos: Nicola com Cianciaruso F-Vê nº 51, e Domingos com Kaimann F-Vê nº 50, em Interlagos

A partir de 1978 passou a correr esporadicamente de Fórmula VW 1300, categoria onde encerrou sua carreira de piloto em 1980 aos 39 anos e 7 meses, mas nunca abandonou a mecânica, mantendo sua oficina.

Faleceu em 19 setembro de 1992, aos 51 anos de idade
 

Nicola - Participações em provas (com a colaboração de Napoleão Ribeiro)

09/09/1960 - III 500 Quilômetros de Interlagos/SP - Bugatti/Ford nº 25 - 4.200cc - Mec. Nac. - AB
15/01/1961 - III Torneio Sulamericano - Interlagos/SP - Bugatti/Ford nº 25 - 4.200cc - Mec. Nac. - AB
14/05/1961 - III Circuito de Piracicaba/SP - Bugatti/Ford nº 25 - 4.200cc -
Mec. Nac. - AB
07/09/1961 - IV 500 Quilômetros de Interlagos/SP - Com Valter Nogueira Filho - Corvette nº 25 - 4.500cc - 23º na geral e 10º na cat. Mec. Nac.
26/11/1961 - VI Mil Milhas Brasileiras - Interlagos/SP - Com Adalberto Ayres (Chupeta) - Ford nº 28 -
ND
10/03/1963 - II 12 Horas de Interlagos/SP - VW Sedan nº 88 - 1.192cc - 30º na geral e 18º na cat. T-1.3
30/06/1963 - II Prêmio Aniversário ACESP - Interlagos/SP - Ferrari/Corvette nº 14 - 4.500cc -
Mec. Nac.- 5º Lugar
07/09/1963 - VI 500 Quilômetros de Interlagos/SP - Ferrari/Corvette nº 14 - 4.500cc - Mec. Nac. - AB
08/03/1964 - G.P. Rogê Ferreira - Interlagos
/SP - Ferrari/Corvette nº 14 - 4.500cc -  5º na geral e 3º na cat. Mec. Nac.
26/04/1964 -
I Prêmio Constantino Cury - Interlagos/SP - Ferrari/Corvette nº 14 - 4.500cc - 4º na geral e 4º na cat. Mec. Nac.
24/05/1964 - II 12 Horas de Brasília/DF - Com Ivo Noal - Simca Rallye nº 47 - 2.432cc -
15º na geral e 5º na cat. T+1.3
27/09/1964 - I 250 Milhas de Interlagos Interlagos/SP - Ferrari/Corvette nº 14 - 4.500cc - 6º na geral e 1º na cat. Mec. Nac.
                                Reformas em Interlagos - 1968/69
09/12/1973 - XI Mil Milhas Brasileiras - Interlagos/SP - Com Antonio Versa - Chevrolet Opala nº 14 - 4.098cc -
15º na geral e 7º na cat.T+3.0
28/04/1974 - Paulista de Turismo D-3 - 4ª Etapa - Interlagos/SP - Chevrolet Opala nº 14 - 4.098cc - 27º na geral e 7º na cat. T+3.0
07/09/1974 - Paulista de F-VW 1300 - 3ª Etapa - Interlagos/SP - Pati F-Vê nº 14 - 1.285cc -
12º Lugar
13/12/1975 - 25 Horas de Interlagos - SP - Com Domingos Papaleo/Uribrando Silveira - Ford Maverick nº 20 - 4.950cc - 25º na geral e 9º na cat. T+3.0
12/03/1978 - Brasileiro de F-VW 1300 - 1ª Etapa - Interlagos/SP - Kaimann F-Vê nº 51 - 1.285cc -
37º Lugar
29/10/1978 - Brasileiro de F-VW 1300 - 9ª Etapa - Jacarepaguá/RJ - Kaimann F-Vê nº 51 - 1.285cc - 20º Lugar
11/03/1979 - Brasileiro de F-VW 1300 - 1ª Etapa - Interlagos/SP - Kaimann F-Vê nº 51 - 1.285cc -
12º Lugar
22/04/1979 - Brasileiro de F-VW 1300 - 2ª Etapa - Brasília/DF - Kaimann F-Vê nº 51 - 1.285cc - 12º Lugar
22/07/1979 - Brasileiro de F-VW 1300 - 5ª Etapa - Jacarepaguá/RJ - Pati F-Vê nº 51 - 1.285cc -
25º Lugar
07/09/1979 - Brasileiro de F-VW 1300 - 6ª Etapa - Jacarepaguá/RJ - Pati F-Vê nº 51 - 1.285cc - 20º Lugar
25/11/1979 - Brasileiro de F-VW 1300 - 9ª Etapa - Interlagos/SP - Kaimann F-Vê nº 51 - 1.285cc -
37º Lugar
09/03/1980 - Brasileiro de F-VW 1300 - 1ª Etapa - Interlagos/SP - Kaimann F-Vê nº 51 - 1.285cc - 22º Lugar
20/07/1980 - Brasileiro de F-VW 1300 - 5ª Etapa - Interlagos/SP - Cianciaruso F-Vê nº 51 - 1.285cc - 
21º Lugar


Biagio Papaleo

1960 - Amigo, João, Nicola, Biagio e José
funcionam o Biagio/Ford pela 1ª vez

1960 - Biagio/Ford Especial

Filho de imigrantes italianos, casado com dona Mafalda Carozzi Papaleo, trabalhou de mecânico na concessionária Cassio Muniz da Ford e depois na oficina de João Santo Mauro, o "Jaburu", onde construiu, em 1939, um Ford V8 adaptado, para o "Jaburu" correr a prova de inauguração do autódromo de Interlagos em 1940, depois abriu oficina própria na Al. Barão de Campinas, centro de São Paulo, onde além dos consertos comuns para clientes comuns, atendia também os carros, preparando e dando manutenção, de Rafael Gargiulo e outros menos famosos.
Teve quatro filhos: Domingos, José, Nicola e João, todos seguiram a carreira do pai e dois deles se dedicaram também ao automobilismo: Nicola e Domingos.
Era um entusiasta, apesar de não correr foi um dos fundadores da APVC (Associação  Paulista de Volantes de Competição) em 1962
Biagio construiu um mecânica nacional para participar do "I 500 Quilômetros de Interlagos" em 1956, mas o carro não ficou pronto, só ficou pronto em 1960, era um chassi Bugatti equipado com motor Ford e foi inscrito como “7 de Setembro” no “III 500 Quilômetros de Interlagos” e foi Nicola quem o pilotou.


VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA
ou
VOLTAR À PÁGINA INICIAL