Uma visão dos nossos históricos anos sessenta e um pouco antes

Voltar  para  Página Inicial

Ir  para  "Lendas e histórias"

Pilotos:
Agnaldo de Goes Aldo Costa Alfredo Santilli Amauri Mesquita Antonio C. Aguiar Arlindo Aguiar Aroldo Louzada Bica Votnamis
Bird Clemente Bob Sharp Breno Fornari Caetano Damian Camillo Christofaro Carlos Sgarbi Catharino Andreatta Celso L. Barberis
Christian Bino Heins Ciro Cayres Domingos Papaleo Eduardo Celidonio Emerson Fittipaldi Emilio Zambelo Ênio Garcia Eugênio Martins
Francisco Lameirão Fritz D'Orey Graziela Fernandes Haroldo Vaz Lobo Henrique Casini Jan Balder Jaime Pistili Jayme Silva
José Tôco Martins Júlio Andreatta Luiz A. Margarido Luiz Carlos Valente Luiz Pereira Bueno Luiz Valente Marinho Nicola Papaleo
Nilo de Barros Vinhaes Norman Casari Orlando Menegaz Nastromagario Pedro C. Pereira Piero Gancia Raphael Gargiulo Ricardo Rodrigues de Moraes
Roberto Gallucci Roberto Gomez Salvador Cianciaruso Toninho Martins Victorio Azzalin Vitório Andreatta Waldemar Santilli Zoroastro Avon
Preparadores e/ou construtores:
Anísio Campos Jorge Lettry Miguel Crispim Nelson Brizzi Toni Bianco Victor Losacco    
Pioneiros:
Ângelo Juliano Benedicto Lopes Chico Landi Chico Marques Gino Bianco Hermano da Silva Ramos Irineu Correa João R. Parkinson
Manuel de Teffé Nascimento Junior Norberto Jung Sylvio A. Penteado Villafranca      

 

Página acrescentada em 21 de abril de 2005.
 
Breno Fornari
por Paulo Roberto Peralta

Dezembro 2005

Nasceu em Arroio do Meio (RS) no dia 25 de março de 1925.
Seu pai tinha um Ford Modelo "T" de 1925 que era a paixão de Breno, vivia mexendo, desmontando e remontando, só para conhecer. Com 18 anos a família mudou-se para Porto Alegre e Breno foi estudar na Escola Técnica Parobé.

Logo, com 20 anos de idade, montou uma oficina mecânica na Rua Sertório, bairro Navegantes, como era uma época pós guerra, consertava de tudo, inclusive vários carros que estavam há anos estocados no Porto de Montevidéu vieram para o Brasil e foram ressuscitados em sua oficina. Sua paixão por automóveis só aumentava e então no ano de 1950, com 25 anos, estreou em competições.
Sua estréia foi em 1950 no "Circuito Zona Sul ", Guaíba/Bagé/Pelotas (ida e volta), segundo o Jornal Correio do Povo, classificação final: 11° lugar.
Ele contava:
"-... a maior sensação e ao mesmo tempo susto em minha carreira foi nessa prova. O carro vinha desenvolvendo 140 km/h e ao passar por um "lombo de burro", andou uns 20 metros somente nas rodas da frente, parecia um avião que estava aterrizando e que aos poucos vai baixando a cauda na pista."

Nessa época, coragem era metade do caminho para as competições, e Breno tinha. E mais, tinha também o conhecimento de mecânica, sabia exatamente como funcionava cada peça do automóvel, havia se tornado um ótimo preparador.

Ford 40 Carretera - GP Rádio Gaúcha/52
Porto Alegre

Ford 40 Standard
III Prova Antoninho Burlamaque/55

Sua carreira inicialmente foi na categoria "Standard", mas quando a prova era de "Carretera" ele simplesmente depenava o automóvel e o transformava em uma, depois da prova era só remontar tudo de volta e o carro de passeio estava novo, de novo. Na época profissionalismo não havia, então Breno corria unicamente pelo prazer de correr, era só muita "paixão, suor e graxa", com certeza um dos heróis do automobilismo gaúcho e brasileiro.
Para Breno as corridas de estrada eram as mais emocionantes, carros com 250hp. andando perto de 200 km/h por estradas de terra esburacadas, e ultrapassar então, era um horror devido à poeira que o carro da frente levantava, uma verdadeira operação às cegas.
“-...o melhor era acelerar, mesmo às cegas, rezar e se pudesse, dar uma olhada nos fios da linha telefônica ao lado da estrada, como se fosse um corrimão para as ultrapassagens. Cada susto!”

Ford 40 Standard - Vice campeão
III Circuito do Alto Taquari/56

Em 1956 chegou ao "III Circuito do Alto Taquari" com 18 pontos no campeonato da Categoria Standard, ele só precisava não chegar atrás de Oswaldo Oliveira que tinha 16 pontos, os dois disputaram ferozmente a vitória, e Breno vinha na liderança quando a 8 km da linha de chegada a roda dianteira de seu carro se desprendeu ao entrar em alta velocidade numa curva, chocando-se com violência em uns coqueiros. Sem chance de continuar, mas felizmente sem ferimentos. Foi vice-campeão.

1956 - Catharino, Breno e a carretera

Depois dessa prova Catharino Andreatta, o grande "fera" do automobilismo gaúcho da época, o convidou para correr a “I Mil Milhas Brasileiras”  em Interlagos, prontamente aceitou. Era tudo diferente, uma realidade completamente diversa das corridas de estrada que se praticava no Rio Grande do Sul, sobre isso disse:
"- Aquela primeira corrida foi uma festa, tudo era novidade, foi fantástico. Um dos detalhes que me chamou a atenção foi o volume de pneus e tambores na parte interna dos boxes, parecia uma loja desses produtos...”

Nunca haviam corrido em autódromo, circuito fechado, só precisaram comprar faróis extras, pois a neblina à noite era muito forte, mas adorou.
Venceram a prova com a carretera Ford do Catharino Andreatta que tinha uns 180 cavalos, caixa de cambio com o miolo da usada no Ford Lincon.
“-...A carcaça nem lembro mais qual era.”, disse. Venceram a prova, assim como venceram também as edições de 58 e 59, mas aí já com um motor de 260 cavalos e cambio de 4 velocidades do Jaguar da época. Os primeiros tricampeões da prova.

1958 - Breno cruza linha de chegada 1956 - Podio (1º vitória) 1958 - Podio (bi) com mis Bardahl 1959 - Podio (tri-campeões)

Apesar de consagrado com a carretera do Catharino, Breno também tinha a sua e com ela participou de diversas provas, inclusive a “II Mil Milhas Brasileiras” (1957) em dupla com Afonso Hoch. Essa carretera está conservada até hoje.

Em 1960 correram em dupla novamente, mas o diferencial quebrou durante a prova, depois de recolhido o carro aos boxes Catharino deixou o autódromo e foi para o hotel, mas movido pela paixão, Breno e os mecânicos desmontaram, soldaram o "satélite" e remontaram, permitindo o retorno dele à pista. Catharino ao ouvir no rádio a notícia, voltou imediatamente ao autódromo e ainda se classificaram em 20° lugar, devido, é claro, ao tempo perdido no conserto.

Na década seguinte, com o surgimento dos carros de fabricação nacional e depois de participar de 2 edições da prova “24 Horas de Interlagos” (60 e 61) correndo em dupla com Catharino no Simca dele, levou Breno a adotar o Simca Chambord como seu novo carro de corrida, era o único V8 dentre os carros nacionais. Comprou um Simca do então Governador de Minas Gerais, Magalhães Pinto (61 a 66), e com ele participou em 1962 da primeira edição da prova “12 Horas de Porto Alegre” com vitória, fazendo dupla com Afonso Hoch.
Depois correu o
"III 500 Quilômetros de Porto Alegre" com sua carretera mas não concluiu a prova por quebra no sistema de direção.

1962 - I 12 Horas de Porto Alegre 1962 - Vitória com Afonso Hoch 1963 - II 12 Horas de Porto Alegre 1963 - II 12 Horas de Porto Alegre - 2º

Iniciou 1963 correndo, já em janeiro, o "G. P. Estrada da Produção" entre Passo Fundo e Porto Alegre, onde obteve o 1º lugar na categoria C, com seu Simca nº 35. Naquele ano voltou a participar da segunda edição da “12 Horas de Porto Alegre” com o Simca e o mesmo parceiro, Afonso Hoch. Chegaram em 2º lugar dessa feita.
Participou com o Simca e novamente com o parceiro Afonso Hoch da quarta edição da prova "500 Quilômetros de Porto Alegre" sem no entanto conseguirem um bom resultado.
Depois de mais um 2º lugar na "II 6 Horas de Pelotas" em agosto, só voltou às pistas em novembro participando da prova "I 1600 Quilômetros de Interlagos", que recebeu o nome de  "
Grande Prêmio Celso Lara Barberis e Edmundo André Bonoti" em homenagem aos dois pilotos que faleceram na prova "VI 500 Quilômetros de Interlagos" realizada em 7 de setembro, fez dupla com Catharino Andreatta na Carretera Chevrolet/Corvette n° 2.

Breno ainda correu, em 12 de Maio de 1964 da prova “Grande Prêmio Enrique Fernandez” em Rivera no Uruguai, e foi sua, com um carro Simca, a primeira vitória de um carro de turismo "made in Brazil" no exterior.
Em setembro correu o "V 500 Quilômetros de Porto Alegre" chegando em 3º lugar.
Correu na categoria de Turismo sem preparação, com preparação e ainda fez um protótipo com uma frente mais aerodinâmica, sem mexer quase nada no resto do carro, só motor.
Em outubro de 1964 venceu novamente no Uruguai, dessa vez em Montevidéu no Autódromo Vigor Borrat Fabini "El Pinar".
Em dezembro no "I Campeonato Internacional de Automobilismo", uma prova em Rivera, no Uruguai, e com o Simca aerodinamicamente modificado, foi 1° lugar na cat. "C".

1964 - Grande Prêmio Enrique Fernandez - Rivera no Uruguai 1964 - I Campeonato Internacional de Automobilismo - Rivera, no Uruguai

Em 1965 participou de sete provas, sendo duas no Uruguai, e também da sétima edição da "Mil MiIhas Brasileiras" com uma carretera Simca e tendo como parceiro Nestor Mario Koch, chegaram em 4º lugar.

Em 1966 abriu a Sabren (S.A. Breno) revenda e oficina Simca, na Rua Farrapos, ficando na oficina da Rua Sertório só a preparação. A Sabren fechou em 1971 e tudo voltou para a Rua Sertório que ficou com o nome Breno Fornari & Cia. Ltda, depois mudou para a Rua Maranhão, 612, no Bairro São Geraldo, chamada então de BM Fornari e gerenciada por seu filho Carlos, ele só na orientação técnica.
“- Ele ficava só na orientação, mas se aparecesse um V8, ficava enlouquecido, se transformava numa criança com um brinquedo novo.”, disse Alexandre, seu filho.
Em abril daquele ano, participou em dupla com Aldo Costa da prova "IV 6 Horas de Pelotas" com a sua, já famosa, Simca nº 35, foram bem, chegaram 3º lugar na Classe E.

1967 - Protótipo Regente concluido 1967 - Sua paixão, um motor V8 1967 - IX Mil Milhas Brasileiras

Foi evoluindo e aprimorando a preparação até que em 1967 fabricou um protótipo a partir de um Simca Regente, este sim foi encurtado, teve o teto rebaixado, a frente modificada, motor com aproximadamente 200 hp., com quatro carburadores DFV e duas bombas de gasolina elétricas, etc..., etc..., ficou pronto em 44 dias e várias noites sem dormir e em 23 de novembro de 1967 saiu às ruas pela primeira vez para testes, deu uma esticada até a Praia de Capão da Canoa. Perfeito, o carro estava perfeito. Logo ganhou o apelido de "boca de bagre". Sua estréia nas pistas foi na “IX Mil Milhas Brasileiras” em 1967, a última participação de Breno nesta prova, mas o motor quebrou.

1968 - XIII Prova Antoninho Burlamaque 1968 - 3 Horas de Joaçaba - Sta. Catarina

Em 1968 participou em fevereiro com o protótipo Regente da "XIII Prova Antoninho Burlamaque", chegando em 3º lugar; logo depois em maio, correu a prova "3 Horas de Erechim" disputada durante as comemorações do aniversário da cidade, dessa vez com o Simca e em dupla com Jorge Amado Truda, chegaram em 6º lugar.
Próxima prova, no mesmo mês, foi em Santa Catarina: "3 Horas de Joaçaba", corrida em pista de terra, e ele com o protótipo Regente, apesar de saír na pole position, por pequenos problemas só chegou em 9º lugar; depois em junho: "200 Milhas de Cachoeira do Sul" com Jorge Amado Truda de novo como parceiro no protótipo Regente, que chegou em 2º lugar.

Em agosto, na prova “500 Quilômetros de Porto Alegre”, Breno sofreu um dos poucos acidentes graves de sua carreira, derrapou na 11ª volta na curva da praça e Breno bateu contra a escadaria de Delegacia de Polícia do barro Tristeza,nesse que foi o último ano de corridas nas ruas de Porto Alegre.

1968 - Acidente no 500 Quilômetros de Porto Alegre Estado em que ficou o protótipo Frente do protótipo
 

1969 - Rodovia Presidente Kennedy

O carro foi usado até 1971, sua última prova foi o “GP Internacional de Tarumã”, quando chegou em 5º Lugar, depois foi vendido no Uruguai (em 2000 seu filho Alexandre localizou e recomprou os restos desse carro e o recuperou junto com outros amantes do automobilismo).
Entre 1971 e 1973 se dedicou à Formula Ford, categoria nova. Comprou um Bino F-Ford.

Breno parou em 1973, mas continuou com a oficina e não se afastou das pistas, acompanhando os filhos e os netos que ensaiavam seguir a carreira por ele iniciada.

Em 2003, fazendo dupla com seu filho Alexandre, participou de um Rallye de antigos entre Porto Alegre e Capão da Canoa pilotando a sua (não a da Mil Milhas, que era do Catharino Andreatta) carretera Ford 1938 n° 35 recuperada,  conseguiu o 3° Lugar.
“- Ficou a mil de contente.”, disse Alexandre.

2007 - Carretera Ford 1938 restaurada 2005 - Simca nº 35 recuperado 2005 - Protótipo Regente recuperado 2007 - Carreteras Históricas

Em 2006, na 34ª edição das Mil Milhas Brasil, comemorativa dos 50 anos da prova, Breno foi o grande homenageado, esteve em Interlagos com a carretera com que venceu em 1956 (levada à Interlagos por Luiz Fernando Andreatta, filho de Julio Andreatta e sobrinho de Catharino) e até chegou a pilotá-la antes dos treinos, numa demonstração de que aos 81 anos ainda tinha gasolina nas veias.

Dia 31 de agosto de 2007 aos 82 anos ele faleceu, era véspera do evento "Carreteras Históricas" em Passo Fundo (RS) e onde estava exposta sua carretera, seu filho Alexandre, apesar da dor da perda, compareceu com seu filho Otávio Fornari, neto de Breno..
 

Participações em provas (com a colaboração de Alexandre Fornari)

13/05/1950 - Circuito Zona Sul Guaíba/Bagé/Pelotas/Guaíba - RS - Ford n° 36 -
1° Etapa: 15° lugar - 2° etapa: 16° lugar - classif. final: 11° lugar
25/02/1951 - Prova Porto Alegre-Capão da Canoa/RS -  Renault Juva Quatre n° 36 - 4° lugar na Categoria até 1.000 cc.
13/04/1952 - GP Rádio Gaúcha - Porto Alegre/RS - Ford 1940 n° 38 - Cat. Força Livre -
(quebra do motor)
15/11/1953 - I Circuito do Fumo - Vênancio Aires/Candelária/Sta. Cruz do Sul - RS - Ford n° 116 - Cat. Standard - 3° lugar
21/02/1954 - II Prova Antoninho Burlamaque - Porto Alegre/Tramandaí/Capão da Canoa - RS - Ford n° 154 - Cat. Standard -
4° lugar
12/07/1954 - I Circuito da Laranja - RS - Ford n° 154 - Cat. Standard - 5° lugar
22/08/1954 - Circuito Cidade de Passo Fundo/RS - Ford n° 154 - Cat. Standard -
3° lugar
23/01/1955 - Inauguração Autódromo de Rivera/Uruguai - Ford N° 154 - Cat. Standard - 6° lugar
27/02/1955 - III Prova Antoninho Burlamaque - Porto Alegre/Tramandaí/Capão da Canoa - RS - Ford N° 154 - Cat. Standard -
Acidente na Praia de Atlântida
08/05/1955 - I° Circuito da Erva Mate - Venâncio Aires/RS - Ford n° 154 - Cat. Standard - Quebra
15/04/1956 - VI Encosta da Serra - RS - Ford N° 154 - Cat. Standard -
Quebra
13/05/1956 - Circuito Tapes/Camaquã - RS - Ford n° 154 - Cat. Standard - 1° lugar
09/09/1956 - III Circuito do Alto Taquari - RS - Ford N° 154 - Cat. Standard -
AB
24/11/1956 - I Mil Milhas Brasileiras - com Catharino Andreatta - Carretera Ford n° 2 - 1° lugar
27/01/1957 - V Prova Antoninho Burlamaque - Porto Alegre/Tramandaí/Capão da Canoa - RS - Ford n° 154 - Cat. Standard -
1° lugar
0
5/05/1957 - VII GP Encosta da Serra - RS - Ford n° 154 - Cat. Standard - 2° lugar
23/11/1957 - II Mil Milhas Brasileiras - com Afonso Hoch - Carretera Ford n° 28 -
8° lugar
22/11/1958 - III Mil Milhas Brasileiras - com Catharino Andreatta - Carretera Ford n° 2 - 1° lugar
21/11/1959 - IV Mil Milhas Brasileiras - com Catharino Andreatta - Carretera Ford n° 2 -
1° lugar
01/07/1960 - 24 Horas de Interlagos - GEIA - com Catharino Andreatta - Simca n° 5 - 6° lugar
23/10/1960 - II 500 Quilômetros de Porto Alegre/RS - com Catharino Andreatta - Carretera Ford n° 2 -
1° lugar
26/11/1960 - V Mil Milhas Brasileiras - com Catharino Andreatta - Carretera Ford n° 2 - 20° lugar
03/06/1961 - II 24 Horas de Interlagos - com Catharino Andreatta - Simca n° 6 -
12° lugar
25/11/1961 - VI Mil Milhas Brasileiras - com Catharino Andreatta - Carretera Ford n° 2 - Quebra do cambio
06/05/1962 - I 12 Horas de Porto Alegre/RS - com Afonso Hoch - Simca n° 35 -
1° lugar
23/09/1962 - III 500 Quilômetros de Porto Alegre/RS - Carretera Ford n° 6 - AB
27/01/1963 - G. P. Estrada da Produção - Passo Fundo/Porto Alegre - RS - Simca n° 35 -
1° na Cat. "C"
23/06/1963 - II 12 Horas de Porto Alegre/RS - com Afonso Hoch - Simca n° 35 - 2° lugar
11/08/1963 - II 6 Horas de Pelotas/RS - Simca n° 35 -
2° lugar
27/10/1963 - IV 500 Quilômetros de Porto Alegre/RS - com Afonso Hoch - Simca n° 35 - 11° lugar
23/11/1963 - I 1600 Quilômetros de Interlagos - com Catharino Andreatta - Carretera Chevrolet/Corvette n° 2 -
2° lugar
14/12/1963 - Prova Jubileu de Prata Diogo Ellwanger - Cavalhada/Vila Nova - RS - Simca n° 35 - 3° lugar
14/12/1963 - II 500 Milhas de Porto Alegre/RS - Circuito da Cavalhada - Carretera Ford n° ?? - 3° lugar
12/05/1964 - Grande Prêmio Enrique Fernandez - Rivera/Uruguai - Simca N° 35 - 1° lugar
19/07/1964 - V 500 Quilômetros de Porto Alegre/RS - Simca n° 35 -
3° lugar
04/10/1964 - Autódromo Vigor Borrat Fabini - “El Pinar” - Montevidéu/Uruguai - Simca n° 35 - 1° lugar na cat. "C"
06/12/1964 - I Campeonato Internacional de Automobilismo - Rivera/Uruguai - Simca n° 35 -
1° lugar na cat. "C"
16/02/1965 - Prova Praia do Cassino - Rio Grande/RS -– Simca n° 35 - 1° lugar
27/03/1965 - II 1600 Quilômetros de Interlagos - com Ismael Chaves - Simca n° 35 (2600cc) -
Classif. ??
09/05/1965 - I Etapa do Campeonato Internacional do Norte - Autódromo Eduardo P. Cabrera - Rivera/Uruguai - Classif. ??
05/07/1965 - I Grande Prêmio CORAU - Autódromo de “El Pinar” - Motevideo/Uruguai - Simca n° 35 -
1° lugar
15/08/1965 - I G.P. Rodovia do Café - PR Curitiba/Apucarana/Curitiba - PR - Simca n° 95 - 3° lugar na cat. TFL
27/11/1965 - VII Mil Milhas Brasileiras - com Nestor Mario Koch - Carretera Simca n° 35 -
4° lugar
23/01/1966 - XII Prova Antoninho Burlamaque - Porto Alegre/Capão da Canoa -RS - Simca n° 35 - 2° lugar
24/04/1966 - IV 6 Horas de Pelotas/RS - com Aldo Costa - Simca n°35 -
Classe “E”  3° lugar
19/11/1966 - VIII Mil Milhas Brasileiras - com Afonso Hoch - Simca n° 35 - 10º lugar
02/11/1967 - IX Mil Milhas Brasileiras - com Jorge Amado Truda - Protótipo Regente n° 35 -
AB 
11/02/1968 - XIII Prova Antoninho Burlamaque - Porto Alegre/Capão da Canoa/RS - Protótipo Regente n° 35 - 3° lugar
05/05/1968 - 3 Horas de Erechim/RS - com Jorge Amado Truda - Simca n° 35 -
6° lugar
26/05/1968 - 3 Horas de Joaçaba/SC - Protótipo Regente n° 35 - 9° lugar
02/06/1968 - 200 Milhas de Cachoeira do Sul/RS - com Jorge Amado Truda - Protótipo Regente n° 35 -
2° lugar
11/08/1968 - VI 500 Quilômetros de Porto Alegre/RS - Protótipo Regente n° 35 - AB
06/07/1969 - Prova dos Namorados no Autódromo - Curitiba/PR - Protótipo Regente n° 35 - AB
27/07/1969 - Rodovia Presidente Kennedy/RS - Protótipo Regente n° 35 -  AB
16/08/1970 - 2 Horas de La Fronteira - Gran Prêmio Planella - Rivera/Uruguai - Protótipo Regente n° 35 - classif ?
08/11/1970 - Prova Inauguração Autódromo de Tarumã/RS - Protótipo Regente n° 35 -
TFL  9º lugar
30/05/1971 - Grande Prêmio Internacional de Tarumã/RS - Protótipo Regente n° 35 - 5º lugar
22/08/1971 - F-Ford - Tarumã/RS -
Apresentação, sem classificação, da categoria Fórmula Ford
29/08/1971 - 1ª Etapa do Campeonato Gaúcho F-Ford - Tarumã/RS - Bino F-Ford - 1.440cc - ND
17/10/1971 - 500 Quilômetros de Tarumã/RS - 3ª Etapa Camp. Bras. Div. 3 - com Milton Amaral - Chevrolet Opala -
T+3.0  3º lugar
31/10/1971 - 2ª Etapa Camp. Bras. de F-Ford (preliminar do I Torneio Internacional de F2) - Interlagos/SP - Bino F-Ford n° 35 - 1.440cc - ND
07/11/1971 - 3ª Etapa do Camp. Brasileiro de F-Ford - Interlagos/SP -  Bino F-Ford n° 35
- 1.440cc - ND (7º na segunda bateria)
28/11/1971 - 4° Etapa do Camp. Brasileiro de F-Ford - Tarumã/RS - Bino F-Ford n° 35 - 1.440cc - ND
09/04/1972 - 1ª Etapa do Camp. Brasileiro de F-Ford - Tarumã/RS - Bino F-Ford n° ? - 1.440cc - 8º lugar
12/06/1972 - 3° Etapa do Camp. Brasileiro de F-Ford - Tarumã/RS - Bino F-Ford n° ? - 1.440cc - 15º lugar
27/05/1973 - 2ª Etapa do Camp. Brasileiro de F-Ford - Interlagos/SP - Bino F-Ford nº ? - 1.440cc -
12º lugar


VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA
ou
VOLTAR À PÁGINA INICIAL