Voltar à página inicial

Página acrescentada em 1 de julho de 2012.
 

Francisco... Chico... Chiquinho Lameirão

Chiquinho e Peralta na "Semana Cultural da Velocidade" em 2010

Um dos mais importantes nomes do automobilismo brasileiro nas décadas de 60 e 70, o piloto Francisco Lameirão, nasceu em São Paulo no dia 1 de julho de 1943, filho de Teófilo Lameirão, e correu em praticamente todas as categorias brasileiras da época.
Na juventude Chiquinho praticava esqui aquático no Clube de Campo de São Paulo, perto do circuito de Interlagos, não demorou muito para que o ronco dos carros o atraísse, e incentivado pelo amigo Geraldo Meireles, fez sua corrida de estréia, no “Prêmio Victor Losacco” em 25/02/1962, na prova reservada para carros Volkswagen.
As coisas naquela época aconteciam muito devagar. Quase um ano depois foi que ele voltou a correr, foi uma corrida longa de 12 Horas, em Interlagos, em parceria com Luiz Pereira Bueno e José Ricard, pela Equipe Torke de Luizinho e Franklin Martins.

Equipe Willys em 1964  
Livro: “Interlagos - 1940 a 1980” de Paulo Scali

“- Depois, comecei na Escuderia Willys, foi nas 12 Horas de Brasília em dupla com o Luiz Pereira Bueno. Tiramos 3º lugar na geral. Nessa prova, todos os carros da Willys quebraram. Eram três Berlinetas e 3 Renault 1093. O único que terminou a prova foi o nosso, com uma particularidade, era minha a última tocada, mas nosso chefe de equipe, Christian Heins, que também era piloto e guiava uma barbaridade, quis participar desse 3º lugar e assumiu em meu lugar levando o carro até o final. Essa foi a última corrida dele no Brasil, depois foi correr nas 24 Horas de Le Mans e sofreu um acidente fatal.” - Chiquinho por telefone.
Sempre foi um piloto muito forte e participou do recorde de resistência do Gordini em 1964 quando foram quebrados 133 recordes, dos quais 25 internacionais. Chiquinho e toda a equipe Willys participaram durante 22 dias ininterruptos se revezando numa verdadeira maratona que teve inicio em 26 de outubro e terminou em 17 de novembro.
Na Equipe Willys, que era comandada por Luiz Antonio Greco, ficou 1963 e 64, e dividiu carros com, além de Luizinho e Christian: Carol Figueiredo, Bird Clemente, Wilsinho Fittipaldi, José Carlos Pace e também correu em diversas provas sozinho obtendo vários bons resultados com os carros: Gordini, Renault 1093 e Berlineta Interlagos.
Em 1965 foi para a Equipe Vemag, que era comandada por Jorge Lettry, lá correu com os DKW Vemag de turismo, mas principalmente com os Malzoni/DKW. Sua estréia foi em Recife (PE), onde chegou em segundo lugar, depois fez duas corridas em dupla com Mario Cesar de Camargo Filho, o “Marinho”.
No ano seguinte, 66, retornou para a Equipe Willys onde correu maio e junho, e a partir de setembro voltou a correr com os Malzoni/DKW da Equipe Luminari, a Equipe Vemag não existia mais, a fábrica da Vemag havia sido comprada pela Volkswagen e Jorge Lettry já havia se transferido para a Puma Veículos, ficando Miguel Crispim para dar destino ao acervo da equipe. Foram três corridas, inclusive com uma vitória e também com a quebra do recorde da pista de Interlagos, nos treinos classificatórios para o "GP Faria Lima" realizado em 2 de outubro de 1966, com a espetacular marca de 3'48"06, recorde para o circuito completo! Isso foi possível graças à redução da bitola do eixo traseiro e a instalação de uma barra estabilizadora na suspensão traseira, semelhante à da dianteira, modificando a tendência do carro em sair de frente, fazendo com que a traseira passasse a desgarrar um pouco, mais de acordo com o estilo e preferência de Chiquinho. A marca superada por ele pertencia ao piloto argentino Juan Manuel Fangio que seis anos antes conquistara 3’50” a bordo de uma potente Maserati 2,5 litros!

1965 - Equipe Vemag 
(da esq. para dir.): 
Mário César de Camargo Filho, 
Eduardo Scuracchio,
Jorge Lettry, Francisco Lameirão, 
Roberto Dal Pont e Anisio Campos
http://www.obvio.ind.br 

1965 - Prefeito de Piracicaba (SP), Luciano Guidotti cumprimenta Marinho e Chiquinho 
Fonte:
http://felipebitu.wordpress.com 

1966 - Chiquinho, a bordo do DKW Malzoni da Equipe Luminari no antigo traçado de Interlagos. 
Fonte: arquivo pessoal de Chiquinho Lameirão

Ainda em 1966 ele correu pela Equipe Dacon, a “VIII Mil Milhas Brasileiras” e a “Mil Quilômetros da Guanabara”, fazendo dupla, em ambas, com seu amigo Anísio Campos, pilotando um Karmann-Ghia/Porsche. E em 1967, pela equipe ainda, correu o “III Mil Quilômetros de Brasília” em dupla com Emerson Fittipaldi quando tiraram o segundo lugar.
Seu primeiro contato com um F-Vê aconteceu no “500 Quilômetros de Interlagos” em 1967, fazendo dupla com Elvio Ringel, quando ficaram com o quinto lugar.
Em dezembro passou a correr com as Alfas da Equipe Jolly-Gancia. 

1968 - Mil Km da Guanabara, disputados em dezembro
acervo de Brito Cunha
http://blogdojovino.blogspot.com.br 

1968 - Alfa GTA no Mil Km da Guanabara em dupla com Wilsinho - Reprodução revista 4Rodas

Com Interlagos fechado para reformas nos anos de 68 e 69 fez algumas corridas fora de São Paulo em parceria com Piero Gancia e Emilio Zambello, com quem venceu o “III 500 Quilômetros da Guanabara” em 4 de agosto de 1968, outra vitória pela equipe foi no “Mil Quilômetros da Guanabara” em 08 de dezembro de 1968 quando fez dupla com Wilsinho Fittipaldi. Decepcionado por não ser o escolhido dentro da equipe para guiar a Alfa P33, um sonho para os pilotos na época, Chiquinho deixou a Jolly-Gancia em 1969 para correr algumas etapas com o novo protótipo de Anísio Campos, ele ajudou no desenvolvimento do novo protótipo pois sempre foi um grande acertador de carros, fez algumas corridas com o AC/VW da “Marinho Veículos” de Marinho e Eugenio Martins, com patrocínio do “Arroz Brejeiro”.

1969 - Jacarepaguá: Alfa P 33, pilotada por José Carlos "Môco" Pace, o AC No. 90, pilotado por Lameirão/Anisio Campos 
e o Lola T-70 dos irmãos De Paoli. 
Origem:
http://www.obvio.ind.br 

O AC patrocinado pelo Arroz Brejeiro pilotado por Francisco Lameirão no Rio de Janeiro em 1969
Origem:
http://www.obvio.ind.br
1969 - Chiquinho, AC-VW 1900 cc, com Marinho em Curitiba
Arquivo pessoal de Chiquinho Lameirão

No início do ano seguinte foi realizado o “Torneio BUA de F-Ford”, Antonio Carlos Scavone ex-piloto e promotor do torneio foi à Europa e conseguiu trazer vinte carros e alguns bons pilotos da F-Ford européia, além do patrocínio da British United Airlines (BUA). O Torneio teve cinco provas, sendo duas em Jacarepaguá, uma em Curitiba, outra em Fortaleza e a final em Interlagos, entre os meses de janeiro e fevereiro de 1970. Chiquinho participou com sucesso da ultima prova do "Torneio BUA de F-Ford", quando teve atuação destacada a bordo de um Merlyn alugado, quando conseguiu um ótimo 5º lugar em sua corrida de estréia na categoria.
Em 1970, na esteira do sucesso de Emerson Fittipaldi, já então na F-2, Chiquinho vendeu o que tinha e com um pequeno auxilio da Freios Varga e do Fundo Baluarte se mandou para a Europa. Lá chegando, Inglaterra foi seu destino, comprou um chassi Royale RP3 semi-novo, um motor Cortina com preparação de fábrica e uma perua Ford Cortina, onde transportava e guardava peças e pneus reservas, mas toda a preparação e manutenção eram feitas por ele mesmo.
"
- Eu fui para a Europa em 1970, sozinho, não tinha ninguém. Eu levava o carro para a pista, alinhava no grid, corria e levava embora. Você "curtir" bons e maus resultados sozinho não é fácil." - Relembra.

1970 - Chiquinho e Jorge Pinhol em Vila Real, Portugal Fonte: www.fordcortina.com 

Começou a correr em abril e participou de corridas em: Snetterton, Oulton Park, Brands Hatch, Silverstone e Thruxton, sempre com resultados médios. Descendente de portugueses, Chiquinho resolveu se inscrever na corrida de Vila Real, em Portugal, em julho. A corrida, “XVII Circuito Internacional de Vila Real”, um circuito de rua de quase 8 km era a principal do país. Correu com assistência de um mecânico da Equipe Royale FF, tendo o português Jorge Pinhol como companheiro de equipe, mas na corrida sofreu um grave acidente, estava em terceiro lugar, próximo dos líderes, quando o tensor se quebrou, em plena reta, o carro rodopiou bastante até parar.
“- Imagina você estar a 210 ou 215 km/h numa reta e suspensão traseira quebrar! Ela abriu e eu dei quatro 360º naquele circuito de altíssima velocidade, passei a 20 cm. de uma árvore, mas não me aconteceu nada!”
Logo voltou à Inglaterra, mas o sucesso não foi o esperado, e ainda para complicar teve sua perua Ford Cortina roubada com todas as ferramentas, pneus e relações de marchas, foi um prejuízo de 4.000 dólares. Sem recursos para poder continuar correndo fez um acordo com o gaúcho Rafaelle Rosito, ele pagou metade do preço do carro e dali em diante foram se alternando na direção do Royale nas corridas. Além do mais, Rosito levou consigo o mecânico e preparador Wilson Drago, um reforço técnico muito bem vindo para quem vinha fazendo sozinho a manutenção do carro. Rosito, entretanto sofreu acidente num treino em Thruxton, e com o carro semi destruído a saída para Chiquinho foi retornar ao Brasil, quando desistiu da carreira internacional.
Para encerrar o ano de 1970, Chiquinho participou do “Torneio Corcel” que teve duas etapas, São Paulo e Rio de Janeiro, chegando em 6º lugar nas duas.
Em 1971 foi lançada a Equipe Z, formada por Anisio Campos e Luiz Pereira Bueno e com Miguel Crispim como Coordenador Técnico, contrataram Chiquinho e Lian Duarte, importaram um Porsche 908/2 e Lian comprou o Porsche 910 do carioca Mario Olivetti. Pouco tempo depois a Souza Cruz através dos cigarros Hollywood passou a patrocinar a equipe. Chiquinho disputou o campeonato de viaturas esporte de 1971 ao lado de Lian Duarte com o Porsche 910 e foram vice-campeões brasileiros, sendo Luizinho e Anísio os campeões, com o Porsche 908/2.
Nesse mesmo ano é criado o campeonato brasileiro de Fórmula Ford que tinha pilotos como: Alex Dias Ribeiro, Clovis de Moraes, Enio Sandler, Lionel Friederich e Pedro Victor de Lamare, mas foi Chiquinho quem venceu, com um Merlyn da Equipe Hollywood, o primeiro campeonato brasileiro da categoria.

1972 - Chiquinho de F-Ford
em Interlagos
www.imagensdaluz.com 

Avallone/Chrysler
Venceu a Cascavel de Ouro em 1973
Arquivo pessoal de Chiquinho Lameirão

1973
Chiquinho e Troncon disputando posição
Livro “Interlagos - 1940 a 1980”
de Paulo Scali

Chico Lameirão correndo de Polar na F-Ford, 
Camp. Bras. F-Ford de 1974
Segundo colocado
www.imagensdaluz.com

Entusiasmado com as equipes profissionais que estavam surgindo no automobilismo, como a Hollywood e a Brahma, do piloto Norman Casari, o piloto montou em 1972, com Crispim e Jaime Levy, a sua própria equipe, a Equipe Brasil, depois Motoradio. Na mesma época, passou a ser o representante em São Paulo do fabricante de carros Polar do Rio de Janeiro, comandada por Ricardo Aschar e Ronald Rossi. A parceria permitiu que ele começasse a fazer experiências até então nunca vistas no automobilismo, foi o primeiro piloto a usar calotas nas rodas para melhorar o arrasto aerodinâmico.

Chiquinho pilotando o F-Super Vê, durante o “Campeonato Brasileiro de Fórmula VW”, em 23 de maio de 1976, ele equipou o carro com sobrecalotas aerodinâmicas, usadas na Fórmula Indy somente sete anos depois

“- Éramos um verdadeiro laboratório da Polar”. Disse.Terminou o ano como vice-campeão brasileiro de F-Ford após intensa luta com Clovis de Moraes, o campeão. Em 1973 a Equipe Motoradio disputou os campeonatos de F-Ford Brasileiro, Paulista e Gaucho. E Chiquinho sagrou-se campeão Paulista de F-Ford, mas também disputou o torneio de divisão 4 (esporte de fabricação nacional), guiando um Avallone/Crhysler V8 e venceu em Interlagos a ultima prova da temporada. Em 1974, disputou a Divisão 4 com um Heve e ganhou a etapa de Cascavel (PR).
Dirigir a Equipe Motoradio só não bastava. Chiquinho queria mesmo era pilotar nas pistas. Foi vice-campeão da Super Vê em 1974, torneio organizado pela Volkswagen. O campeão da nova categoria foi Marcos Troncon.
“- Na equipe Motoradio, teve época que eu corria em cinco categorias. Houve um ano que foi Fórmula-Ford, Super-Vê, Divisão-4, Esporte Protótipo e Estrangeiro com um Porsche 907”. - Relembra.

1975 - Lameirão prepara-se para uma corrida da F-Super Vê. No ano seguinte, a categoria mudaria de nome para Fórmula Volkswagen 1600.
www.imagensdaluz.com   

Em 1975 Chiquinho conseguiu conquistar o título mais importante de sua carreira, foi campeão brasileiro e campeão paulista da Super Vê.
“- A Super-Vê foi a melhor categoria do Brasil que existiu até hoje. Tinham 10 ou 12 pilotos com chances de vitórias, tais como: Alfredo Guaraná, Chateubriand, Nelson Piquet, Chulan, Eduardo Celidonio, Tite Catapani, Ingo Hoffman, Antonio Castro Prado e outros que me falha a memória. Qualquer um deles poderia ganhar a corrida. As corridas eram curtíssimas, em Interlagos eram seis voltas. A equipe Motoradio foi vice-campeã em 1974 e em 1975 fomos campeões paulista e brasileiro”. - Por telefone.
Em 1976 ficou com o 3° lugar no campeonato brasileiro e o 4° no paulista da categoria.

No final de 1977 a CBA organizou uma prova extracampeonato de Fórmula Volkswagen. Objetivo: homologar Jacarepaguá para receber o GP do Brasil de F-1 http://pandinigp.wordpress.com 

Em 1977, sem o patrocínio da Motoradio encerrou as atividades da  equipe, mas continuou a correr, e em parceria com o amigo Miguel Crispim abriu a “Boxer Auto Mecânica”, sociedade que durou um ano. Em 1978 fez sua ultima corrida pilotando um Polar, com o patrocínio da Marlboro, encerrando sua brilhante carreira.
Ele se aposentou no final do ano, mas retornou por um breve período em 1983, dividindo um Ford Escort com outro veterano, Jan Balder, convidados que foram pela Ford para desenvolver uma versão de competição do modelo Escort, fizeram 3 provas de longa duração: “Mil Km de Brasília”, “6 Horas de Tarumã” e “12 Horas de Interlagos”.
Diante da inexistência de uma categoria adequada para os garotos vindos de kart evoluírem, ele está atualmente desenvolvendo o projeto de um monoposto sem apêndices aerodinâmicos, com pneus radiais e motor intercambiável, pode receber motores 1.0 ou 1.6, essa formula serviria para formar pilotos para as categorias de formulas, almejando, é claro, a F-1.
“- O garoto inicia no kart, e quando ele estiver desistindo de correr ainda tem que andar de kart. Após o kart, não pode  usar slick, nem aerofólio e nem spoiller, porque vicia, precisaríamos  ter uma categoria adequada”.
Chiquinho tem também opiniões bem definidas sobre o atual automobilismo brasileiro:
“- Os campeonatos estão todos errados. A meu ver eles têm que ser regionais, fortes, e no final do ano, cada categoria sorteia uma pista e lá num final de semana é realizado o campeonato brasileiro. Com este esquema, os gastos são menores e o ano todo você está correndo. Inclusive vai se ter mais pilotos correndo, porque eles vão ter que se ater a uma viagem durante o ano. Só um vai ganhar, paciência, mas haverá automobilismo durante o ano inteiro”. - Disse sobre os campeonatos, ou a falta deles.
“- Outra coisa que eu sou absolutamente contra, são as monomarcas. Elas não desenvolvem absolutamente nada, só uma empresa mexe nos motores e só uma é fabricante de chassi. Então na atual crise, você está tolhendo empregos. Acho o cúmulo isso!” - Sua opinião sobre as monomarcas.


Agradecimentos à Ricardo Cunha pelo levantamento dos resultados

 

   

  
VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA