Uma visão dos nossos históricos anos sessenta e um pouco antes

Voltar  para  Página Inicial

Ir  para  "Lendas e histórias"

Aguinaldo de Goes Aldo Costa Alfredo Santilli Amauri Mesquita Antonio Carlos
Aguiar
Arlindo Aguiar Aroldo Louzada Bica Votnamis
Bird Clemente Bob Sharp Breno Fornari Caetano Damiani Camillo Christofaro Celso Lara Barberis Christian Bino Heins Ciro Cayres
Domingos Papaleo Eduardo Celidonio Emerson Fittipaldi Emilio Zambello Ênio Garcia Eugênio Martins Francisco Lameirão Fritz D'Orey
Graziela Fernandes Jan Balder Jayme Pistili Jayme Silva Jorge Lettry José Tôco Martins Luiz Americo
Margarido
Luiz Carlos Valente
Luiz Pereira Bueno Luiz Valente Marinho Miguel Crispim Nelson Brizzi Nicola Papaleo Nilo de Barros
Vinhaes
Norman Casari
Orlando Menegaz Paschoal
Nastromagario
Pedro Carneiro
Pereira
Piero Gancia Raphael Gargiulo Ricardo Rodrigues
de Moraes
Roberto Gallucci Roberto Gomez
Salvador Cianciaruso Toni Bianco Toninho Martins Victor Losacco Victorio Azzalin Vitório Andreatta Waldemar Santilli Zoroastro Avon
Pioneiros:
Benedicto Lopes Chico Landi Chico Marques Gino Bianco Hermano da Silva Ramos Irineu Correa Manuel de Teffé Nascimento Junior
Norberto Jung Villafranca            
Página acrescentada em 30 de novembro de 2007.

Nilo de Barros Vinhaes
por Paulo Roberto Peralta
Vinhaes e Peralta em 2007

Nasceu em Bagé (RS) no dia 14 de janeiro de 1930 e lá passou a infância até os 7 anos de idade quando o pai foi transferido para Barueri (SP), seu pai era maranhense e oficial da Cavalaria do Exercito. Em Barueri moravam na sede da Fazenda Militar onde seu pai era comandante e administrador e lá que eram criados os cavalos do batalhão, então Nilo desde cedo foi se acostumando ao trato com os cavalos.
Depois de iniciar o curso primário em Barueri foi para o Colégio Stafford na Alameda Cleveland, bairro de Campos Elíseos, São Paulo, e ficou interno na Seção Masculina. O colégio era
instalado na casa que havia pertencido à família Santos Dumont e onde hoje funciona o Museu da Energia de São Paulo, concluído o primário, passou para o interno do Colégio Arquidiocesano no Bairro de Vila Mariana. Com 13 ou 14 anos mudou para o semi-interno do Ginásio do Carmo, no Bairro da Sé, onde concluiu o curso ginasial.
Seu pai faleceu em 1944 e em 1946, com 16 anos, se muda para São Paulo, indo morar na Rua Cardeal Arcoverde no Bairro de Pinheiros, com sua irmã e seu cunhado João Guerra, que tinha uma empresa de ônibus urbano, e por uns tempos trabalhou na empresa do cunhado, depois foi trabalhar em uma loja de ferramentas na Rua Florêncio de Abreu, a “Antunes Freixo”, em seguida trabalhou no Banco Cruzeiro do Sul e finalmente nas “Lojas Garbo”, já tinha então alguns amigos automobilistas e com eles freqüentava a pista de Interlagos.
Aos 24 anos saiu das “Lojas Garbo” e passou a trabalhar por conta própria, montou uma loja de automóveis na Avenida Brigadeiro Luiz Antonio, vizinho do “seu Santos” (Valentin dos Santos Diniz) dono da Doceira Pão de Açúcar, que mais tarde deu origem ao grupo Pão de Açúcar. Diz que com 25 anos comprou um carro Maserati com motor Cadillac da categoria Mecânica Nacional e com ele estreou nas competições.

Prova em 20/01/1960

Mudou a loja para a Av. Santo Amaro, tradicional reduto de lojas e oficinas de preparação, na esquina com a Rua Baltazar da Veiga no Bairro Vila Nova Conceição e em 1960 passou a correr com DKW Vemag:
“- Eu tinha um DKW de uso, e como na pista eu via uns DKW andando bem, gostei e comecei a mexer no meu”.

Pronto para a largada - 500Km 

Em 1961 participando da tradicional prova “500 Quilômetros de Interlagos”, que era disputada pelo anel externo do circuito antigo com sua Maserati/Cadillac em parceria com Afonso Pezotto e já tendo cumprido sua parte na prova, estava no box quando o carro de Jaime Guerra entrou com muita velocidade e atropelou Gimenez Lopes e Victor Losacco, Gimenez
sobreviveu mas Victor faleceu em conseqüência dos ferimentos sofridos.
“- Foi uma coisa que marcou muito, eu estava conversando com o Wilson, o “Barão”, e ele estava de costas para o lado de onde vinham os carros e eu estava de frente, quando ví aquele carro vindo, o box naquela época tinha um murinho assim baixo, então eu agarrei o Wilson pelos braços e me joguei lá para dentro levando ele junto, senão tinha pego nós dois também, o Gimenez estava no box pegado ao meu, depois  era o do Losacco”.
Ainda em 61 fez dupla com Jaú (Pedro Aguera) na Mil Milhas com a carretera dele, um Ford/Thunderbird, mas na 3ª volta a carretera quebrou na Curva do Cotovelo (Bico de Pato). Também em 61 fechou a loja e abriu, no mesmo local, uma oficina.
A partir de 1962 passa a correr só de DKW e participa de provas em Interlagos, Aterro da Glória e Petrópolis no Rio, Araraquara e o GP Estrada da Produção no RS.
Final de 1962 montou com os amigos Italo Bartolomeu e Zé Peixinho (José dos Santos Filho) e mais Sergio Micheloni e Roberto Dal Pont a equipe “Tô-aí”.
“- Eles já corriam, tanto o Roberto como o Sergio levavam os carros para arrumar na minha oficina, a gente preparava os carros, mas cada um corria individualmente. Depois de um tempo nós resolvemos nos juntar e montar a Escuderia”.
Participaram pela 1ª vez correndo em trio na prova “500 Milhas de Interlagos”, mas para a prova “12 Horas de Interlagos” de 1963 a equipe cresceu, participaram com dois carros DKW, e 4 pilotos se revezaram ao volante.
A prova seguinte, as ”12 Horas de Brasília”, fez dupla com Norman Casari em seu DKW e ficaram em 2º na Categoria B. Na prova “3 Horas de Velocidade”, em Interlagos, o carro ficou sem combustível e os mecânicos reabasteceram na pista, o que não era permitido, então foi desclassificado.

Primeiros treinos, ainda sem pintura
Foto de João Saboia

Final de 1963 ou início de 1964 foi à fazenda de Rino Malzoni em Matão (SP), e lá viu uma carroceria DKW de alumínio, muito leve, sem nada, só a carroceria.
“- Aí, que fiz? Eu pedi pro Rino e ele me deu. Estava lá, encostada, jogada num canto, de alumínio. Aí eu trouxe a carroceria para São Paulo e levei para um funileiro ali numa travessa da Av. Sto. Amaro e nós cortamos toda ela e fizemos o protótipo. Tiramos a traseira fora, abaixamos o teto, fizemos um monte de coisas”.
A idéia de cortar foi dada por um amigo engenheiro, alemão, que disse: 

“-...lá a gente corta aqui assim reto, dá maior turbulência...”
.  
Nilo gostou da idéia e mandou um funileiro executar:
“- ...na época ele me falou
os termos técnicos, e que isso ajudava o carro a desenvolver
maior velocidade, e o carro mais curto ficou mais fácil de dirigir. O entre eixos não foi mexido, só a carroceria, o tanque passou para dentro do carro, o tanque ia embaixo do porta-malas e não tinha mais porta-malas, então o tanque ficava no lugar do banco traseiro, um tanque de 100 litros eu coloquei”.

Chassis em "xis"

A possibilidade dessa modificação tem sua explicação na própria estrutura do 
carro: ele tinha um chassis em formato de “xis” que acabava justamente no eixo traseiro, portando o porta-malas não tinha estrutura nenhuma. 

Estréia do DKW-Vinhaes

Sua estréia foi na prova “GP Vitória da Democracia” em 1964, que colaborava com a campanha: “Dê ouro para o bem do Brasil” lançada pela TV Tupi e Diários Associados, e logo aquele DKW com a traseira cortada ganhou nas arquibancadas o apelido de “DKW pé-na-bunda” e surgiram também algumas versões sobre sua origem: uns diziam que o DKW original havia sofrido uma batida na traseira e por ser mais barato e rápido simplesmente cortou-se o porta-malas. Outros diziam que como a perua Vemaguete tinha duas portas e o sedan quatro, então o protótipo havia sido feito a partir da perua pois também tinha duas portas, e com o tempo essas versões viraram folclore.
Já na segunda corrida com esse protótipo, as “6 Horas de Velocidade” de 1964, correndo em dupla com “Zé Peixinho” (José dos Santos Filho) conseguiram o 1º lugar na categoria.
Depois de disputar uma prova na Barra da Tijuca, no Rio, fez dupla com Eduardo Celidonio em duas provas e nas duas é novamente 1º na categoria. Logo depois corre com Waldimir Fakri a prova “500 Quilômetros de Interlagos” com a Ferrari/Lancia V6 deste.
Quando era prova de Turismo, não admitindo Protótipos, tirava a carroceria do protótipo e colocava a carroceria original, de turismo,
o que era possível 
graças ao sistema construtivo do carro: chassi e carroceria separados. ”- Era o mesmo carro, eu só tirava a carroceria do protótipo fora e colocava a original”.

1965 - 12 Horas de Interlagos

Em 1966, já com 36 anos, na prova “24 Horas de Interlagos”, fez a largada estilo Le Mans, correu três horas e já no fim delas começou a neblina, passou o carro para o parceiro e foi se ajeitar para descansar, tentar uma soneca, aí o pessoal da equipe veio correndo avisar que o parceiro estava fazendo volta com mais de sete minutos, então reassumiu e enquanto durou a neblina foi assim, ele guiava três horas, o parceiro 2 ou 3 voltas e ele reassumia.
“ - ...como ele patrocinou tudo eu o peguei para correr comigo, mas ele na neblina não enxergava, então quase que corri sozinho. Eu não me lembro o nome dele, acho que era o Barrancano”.
Parou de correr em 1966, aos 36 anos de idade, vendeu a oficina para o Lauro Soares e junto foi o protótipo, não sabe que fim levou.
“- Aí acabou, as fábricas acabaram com o negócio de corridas de automóvel, a 
Vemag saiu fora, todo mundo saiu fora, aí eu parei de correr, não tinha condições de ter os carros  competitivos, e também já estava numa idade de parar. Quando eu parei, acabei com tudo”.

Logo depois de parar com o automobilismo ingressou na faculdade de advocacia, durante o curso se casou, não teve filhos. Mudou para Santo André (SP) e lá exerceu a advocacia até se aposentar, quando  passou a criar cavalos, tinha um Haras em Porto Ferreira.
“- Meu pai era oficial da cavalaria, eu sempre gostei de cavalo, mesmo quando eu corria eu tinha sítio, chácara, eu sempre tive cavalo, desde 10 anos de idade. E não criei só Manga-Larga, criei Crioulo, depois criei Inglês, depois é que veio o Manga-Larga”.
Após parar de correr nunca mais voltou à Interlagos, automobilismo, só acompanhava pela TV.
Nilo faleceu em 5 de agosto de 2015, com 85 anos de idade.

Tabela de participações e resultados  (o que foi possível levantar)

25/01/1960 - Prova não identificada - Interlagos/SP - DKW Vemag 981cc nº 20 - ND
07/09/1961- IV 500 Quilômetros de Interlagos/ SP - Maserati/Cadillac 5.290cc nº 68 - C/Afonso Pezotto -
25º na geral e 14º na M.N.
25/11/1961 - VI Mil Milhas Brasileiras - Interlagos/SP - Ford/Thunderbird 4.785cc nº 35 - C/Pedro "Jaú" Aguera- TFL - AB 
25/01/1962 - I 12 Horas de Interlagos/SP - DKW Vemag 981cc nº 20 - C/Pedro "Jaú" Aguera -
T-1.3 - ND
07*04/1962 - I Premio Aniversário ACESP - Interlagos/SP - DKW Vemag 981cc nº 20 - 5º na geral e 4º na T-1.0
20/05/1962 - I Festival Automobilístico ACESP - Tur. - Interlagos/SP - DKW Vemag 981cc nº 20 -
4º na geral e 4º na T-1.3
27/05/1962 - I Cem Milhas da Guanabara/RJ - Aterro da Glória - DKW Vemag 981cc nº 20 - 6º na geral e 2º na T-1.0
22/07/1962 - VII Circuito de Petrópolis/ RJ - DKW Vemag 981cc nº 20 -
5º na geral e 3º na T-1.0
19/08/1962 - I Circuito de Araraquara/SP - Gr. I - DKW Vemag 981cc nº 20 - 9º na geral e 5º na T-1.0
02/09/1962 - I 3 Horas de Velocidade - Interlagos/SP - DKW Vemag 981cc nº 20 - C/Gino Bacarin -
21º na geral e 8º na T-1.0
20/09/1962 - 6 Horas da Guanabara/RJ - Barra da Tijuca - DKW Vemag 981cc nº 20 - T-1.0 - ND
08/12/1962 - I 500 Milhas de Interlagos/SP - DKW Vemag 981cc nº 20 - C/Sérgio Micheloni/Roberto Dal Pont
- 9º na geral e 3º na T-1.0
27/01/1963 - GP Estrada da Produção - Carazinho - P.Alegre/RS - DKW Vemag 981cc nº 83 - ND na geral e 6º na Cat. B
10/03/1963 - II 12 Horas de Interlagos/SP - DKW Vemag 981cc nº 16 - C/Sérgio Micheloni/Roberto Dal Pont/O'Hara -
10º na geral e 5º na T-1.3
10/03/1963 - II 12 Horas de Interlagos/SP - DKW Vemag 981cc nº 20 - C/Sérgio Micheloni/Roberto Dal Pont/O'Hara - 17º na geral e 8º na T-1.3
28/04/1963 - I 12 Horas de Brasília/ DF - Trampolim do Eixo - DKW Vemag 981cc nº 20 - C/Norman Casari -
8º na geral e 2º na B
01/09/1963 - II 3 Horas de Velocidade - Interlagos/SP - DKW Vemag 981cc nº 20 - T-1.0 - Desclassif. (Falta de gasolina, foi reabastecido na pista)
23/11/1963 - 1600 Quilômetros de Interlagos/SP - DKW Vemag 981cc nº 20 - C/Luis Polastri - ND
05/07/1964 - GP Vitória da Democracia - Interlagos/SP - DKW Vinhaes 1.089cc nº 20 - 11º na geral e 9º na PT
19/07/1964 - I 6 Horas de Interlagos/SP - DKW Vinhaes 1.089cc nº 20 - C/Zé Peixinho (José dos Santos Filho) -
17º na geral e 1º na PT
26/07/1964 - II 100 Milhas da Guanabara/RJ - Barra da Tijuca - DKW Vinhaes 1.089cc nº 20 - 11º na geral e 3º na PT
15/08/1964 - I 1000 Quilômetros de Interlagos/SP - DKW Vinhaes 1.089cc nº 20 - C/Eduardo Celidonio -
3º na geral e 1º na PT
07/09/1964 - VII 500 Quilômetros de Interlagos/SP - DKW Vinhaes 1.089cc nº 20 - C/Eduardo Celidonio - 11º na geral e 1º na PT
27/09/1964 - I 250 Milhas de Interlagos/SP - Ferrari/Lancia 2.451cc nº 74 - C/Waldimir Fakri -
8º na geral e 3º na MN-3.3
10/10/1964 - I Premio Simon Bolivar - Interlagos/SP - DKW Vinhaes 1.089cc nº 20 - 10º na geral e 2º na PT
27/03/1965 - II 1600 Quilômetros de Interlagos/SP - DKW Vemag 1.089cc nº 20 - C/Lauro Soares -
24º na geral e 15º na T-1.6
23/05/1965 - III 12 Horas de Interlagos/SP - DKW Vinhaes 1.089cc nº 20 - C/Waldomiro Pieski - 15º na geral e 2º na PT
27/11/1965 - VII Mil Milhas Brasileiras - Interlagos/SP - DKW Vinhaes 1.089cc nº 20 - C/Roberto Dal Pont -
24º na geral e 13º na T-1.3 28/05/1966 - III 24 Horas de Interlagos/SP - DKW Vemag 981cc nº 20 - C/Bruno Barrancano - 39º na geral e 26º na T-1.3
14/08/1966 - VI Circuito de Piracicaba/SP - DKW Vemag 981cc nº 20 -
7º na geral e 4º na T-1.3
04/09/1966 - V 3 Horas de Velocidade - Interlagos (SP) - DKW Vemag 981cc nº 20 - 16º na geral e 8º na T-1.3


VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA
ou
VOLTAR À PÁGINA INICIAL