Voltar à página inicial

Página acrescentada dia 2 de setembro de 2018
 

João R. Parkinson


Nascimento: 23/04/1893  -  Falecimento: 17/108/1967

Anos 30

João Ruiz Parkinson, filho de um cidadão inglês nasceu na Espanha na cidade de Cadiz, mas cresceu e estudou em Lisboa (PT), formou-se contador e já com 16 anos mudou-se para o Brasil, indo morar na cidade de Salto (SP) trabalhar numa fabrica de tecidos.
Conheceu a moça Maria da Gloria Camargo de Penteado e com ela se casou em 26 de maio de 1912, aos 19 anos, tiveram 4 filhos, dois homens e duas mulheres: Odilon, Flavio, Mary e Dulce.
Mudou-se para São Paulo em busca de melhores oportunidades profissionais, e participou da “I Prova Washington Luis” em dupla com Francisco Azevedo. Disse ter chegado em 10º lugar.
“A primeira vez que foi realizada, desenvolveu-se a “Prova Washington Luis” pelo interior do Estado, durante cinco dias seguidos, num percurso total de 1.200 kilometros, aproximadamente.” - Diário Nacional - SP (23/08/1928)
Ele diz ter participado em 1924, mas só achei referencia a essa corrida em 1926 no jornal “Folha da Noite” de julho de 1926, e na classificação ele está em 7º e não em 10º lugar:
“Com absoluto êxito, terminou hontem a disputa da grande prova de tourismo, no percurso de 1.166 kilometros, organizada pela Associação de Estradas de Rodagem, que lhe deu o nome de prova clássica “Washington Luis”. - Folha da Noite - SP (01/07/1926)
Em 1926, aos 33 anos, mudaram-se para o Rio de Janeiro.
Achei noticia de que em 1929 era membro do “Club dos Bandeirantes do Brasil”.
O “Club dos Bandeirantes do Brasil” foi criado no período de consolidação da visão rodoviarista do governo Washington Luis (24 de agosto de 1926), com sede no Rio de Janeiro. Talvez devido a participação de Getúlio Vargas e Washington Luís no clube esse grupo teve importante atuação nos debates sobre o desenvolvimento do país na década de 1920. Os associados agiam em nome do interesse de tudo que estivesse relacionado às questões nacionais.

Em 1932, ele, como gerente da Cia. Recreio dos Bandeirantes, motivou o Automóvel Clube do Brasil a realizar uma prova automobilística entre a Restinga da Marambaia e o loteamento da companhia.
Entusiasmado com o resultado passou a cooperar voluntariamente com a Comissão Esportiva do A.C.B., na época presidida por Reinaldo Aragão.

Abaixo publico uma reportagem da "Revista de Automóveis", de 1955 (ou 1956) com reminiscências de sua vida.
Após continuo com um pouco mais de sua trajetória no automobilismo:

Acervo: Napoleão Ribeiro

Em 26 de julho de 1908 foi oficialmente realizada a primeira corrida de automóveis do Brasil, que ficou conhecida como o "Circuito de Itapecerica", a partir dai o automobilismo se desenvolveu, mas não só pela dedicação de pilotos mas também com o trabalho de dirigentes e teve, inclusive, alguns pilotos que se tornaram dirigentes, por exemplo: Manuel de Teffé e Ângelo Juliano. Teve muitos outros que nunca pilotaram mas eram apaixonados, por exemplo: Francisco Perdigão, Romeu Miranda e Silva, Pedro Santalucia, Eloy Gogliano, Wilson Fittipaldi, Mauro Salles, e muitos outros.

Vou tentar passar a carreira de João R. Parkinson, um "esquecido" que com mais uns poucos "seguraram a barra" do Automóvel Clube por muitos anos.
Sei que ficarão faltando algumas realizações, mas espero que as principais estejam aqui:

1933 - Colaborou na organização e realização do “I Circuito da Gávea”, tinha então 40 anos.
Devido a sua formação em contabilidade, no período de existência do Circuito da Gávea foi Diretor Comercial de todas.

1934 - Já oficializado como membro do A.C.B. participou ativamente com dr. Romeu de Miranda da comissão organizadora do “II Circuito da Gávea” e foi um dos juízes de partida.

1935 - Carlos Guinle, presidente do A.C.B. o enviou à Portugal a fim de influir pilotos portugueses a virem participar do “III Circuito da Gávea”. Trouxe: Henrique Lehrfeld de Campos (2º lugar); José de Almeida Araújo (3º lugar) e Manoel Nunes dos Santos (abandonou por acidente). Voltou de Portugal no mesmo navio (Cuyabá) que trouxe os pilotos.

Embarque dos carros portugueses para o Brasil, no centro da foto: Lehrfeld
Acervo: Maria Elizabeth Parkinson

Na Comissão Esportiva do “III Circuito da Gávea” em junho, atuou como juiz de partida junto com dr. Romeu de Miranda e Silva, Ferdinando Quillico e Francisco Antunes.
Eleição no A.C.B. reelege Guinle como presidente para o biênio 36/37 e Parkinson fica como Diretor-Gerente.

1936 - Desenvolveu um regulamento de Rallye, a partir do de Monaco, adaptado às condições do Brasil e que quase foi utilizado pelos organizadores da Exposição Feira de Campinas durante as comemorações do Centenário de Carlos Gomes.
Foi criado o “Departamento Automobilístico do Automóvel Clube do Brasil” que tinha como principal finalidade:
“... tratar de todos os assumptos referente ao automobilismo, tanto sob o seu aspecto sportivo, como sob o de turismo ou technico.” - Jornal dos Sports - RJ (01/02/1936)
Parkinson (com 43 anos) foi um dos três indicados para dirigir o novo departamento:
“... A Commissão diretora ficou constituída pelo dr. Romeu Miranda e Sila, o incansável secretário da Commisão Sportiva, a quem o automobilismo muito deve; ao sr. J. R. Parkinson, um estudioso do assumpto, cujos conhecimentos dos mais adiantados centros mundiais é uma garantia de sua capacidade e finalmente pelo sr. Carlos O. Reichenbach, figura prestigiosa no seio dos sports mecânicos... - Jornal dos Sports - RJ (01/02/1936)
Participou da organização e realização do “IV Circuito da Gávea”, principalmente da recepção de pilotos estrangeiros, vi reportagens mostrando pelo menos três: o português Henrique Lehrfeld; a francesa Helle Nice e a equipe gaúcha “Galgos Brancos” com Norberto Jung, Oscar Bins e Olavo Guedes.
Após a corrida acompanhou os pilotos estrangeiros que foram à Petrópolis (RJ) passear e visitar o tumulo de Irineu Correa, falecido no ano anterior durante o Circuito da Gávea, foram também alguns mecânicos, dirigentes, jornalistas e o industrial Sabbado D’Angelo que financiou a vinda da Equipe Ferrari (que na época corria com carros Alfa-Romeu).

Helle Nice sendo recepcionada no porto
Acervo: Maria Elizabeth Parkinson

Almoço oferecido à Helle Nice pelo A.C.B.
Acervo: Maria Elizabeth Parkinson

Dante de Bartolomeu, presidente do ACESP, Vicente de Assumpção, secretário, Romeu de Miranda e João Parkinson nos bastidores do Circuito do Jardim América em 1936
Acervo: Maria Elizabeth Parkinson

Foi à São Paulo colaborar nos preparativos para a realização do “I Grande Premio Cidade de São Paulo”:
“Deverão chegar amanhã a esta Capital, pela estrada de rodagem, os diretores do Automóvel Clube do Brasil, que aqui vem prestar o seu concurso na ultimação dos preparativos da corrida do dia 12, são eles o dr. Romeu Miranda e o sr. J. R. Parkinson.” - Correio de S.Paulo - SP (03/07/1936)
Foi, junto com Guinle, um dos organizadores do almoço-homenagem à Manuel de Teffé por sua brilhante carreira e excelente colocação conseguida no “Circuito do Jardim América” em São Paulo.
Por iniciativa do Automóvel Clube do Brasil e patrocinado pelo jornal O Globo foi lançado um concurso para premiar com um carro Alfa Romeu o piloto mais votado através de cupons publicados no jornal O Globo (RJ) e diversos outros das capitais estaduais. O concurso foi idealizado, organizado e administrado por Parkinson. O concurso se encerrou em 1937 e o vencedor foi Manuel de Teffé.

^ Acima, foto da primeira apuração, quando Chico Landi foi o mais votado.
Fonte: O Malho (RJ)

 
<<< Ao lado , anuncio de um programa de rádio patrocinado por Pneus Brasil e publicado durante todo o período do concurso.
Fonte: A Noite (RJ)

1937 - Foi à São Paulo representando o A.C.B. no banquete oferecido à Nascimento Junior pela sua brilhante vitória no “Grande Premio Folha da Tarde” realizado no Circuito do Cristal em Porto Alegre (RS).
Esteve em São Paulo para motivar os pilotos paulista à participarem do “V Circuito da Gávea”:
“Encontra-se em nossa capital desde sábado ultimo, vindo da Capital Federal como representante do Automóvel Clube do Brasil, o sr. João Ruiz Parkinson, que faz parte da directoria da entidade maxima do automobilismo nacional, é uma das figuras de maior projecção no scenario esportivo carioca e brasileiro. Hontem á tarde, procuramos ouvir o distincto esportista a propósito ...” - Correio de S.Paulo - SP (09/03/1937)
Participou junto com Romeu de Miranda da organização e realização do “V Circuito da Gávea”.
Em setembro planejou, organizou e realizou juntamente com Romeu de Miranda o Raid Rio/Petrópolis/Juiz de Fora que resultou em um sucesso.
Colaborou na organização das provas “Circuito Beira Mar”, mas não consegui confirmar sua realização, e do “Rallye Rio/Belo Horizonte”, realizado com bastante sucesso.

1938 - Visitou Belo Horizonte para tratar da realização do “Circuito de Belo Horizonte” que seria realizado após o Circuito da Gávea. Mas não foi.
Acertou com o Comendador Sabbado d’Angelo o patrocínio para a vinda de Carlo Pintacuda e Mario Tadini para a Gávea. Com Aristides Accioly, mais Romeu de Miranda e o capitão Santa Rosa, foram realizadas nesse ano duas Gáveas, a nacional, chamada de “Premio Com. Sabbado d’Angelo” e a outra internacional “VI Circuito da Gávea”
Fez parte da Comissão Executiva do Raid Rio/Vassouras que foi realizado com êxito em julho; idealizou a “Prova Presidente Getúlio Vargas” prevista para abril e maio de 1939, mas adiada para 41:
“... a realização esportiva em que estivessem representados todos os estados do Brasil. Assim após prolongados estudos, organizei um regulamento, no qual são obrigados os automobilistas a percorrer estradas de rodagem do pais, desenvolvendo o intercambio e o turismo interestadual...” - A Noite - RJ (07/09/1938)

1939 - Representou o A.C.B. na inauguração realizada por Getúlio Vargas da estrada ligando Itaipava e Teresópolis (RJ) em fevereiro.
Iniciando em 1938 percorreu todos os estados do Brasil (menos Pará e Amazonas) a bordo de um automóvel para divulgar a Prova Getúlio Vargas, acompanhado por Pedro Santalucia (às vezes Romeu de Miranda) e um cinegrafista.

1938 - Carro com que percorreu os estados brasileiros
Fonte: Diario Carioca (RJ)
1938 - João Parkinson falando com jornalista
Fonte: A Noite
1939 - Propaganda da Ford usando telegrama de Parkinson
Fonte: O Dia (RJ)

1941 - Seu parceiro no Departamento Automobilístico Romeu Miranda faleceu, por problemas de saúde, durante a realização da Prova Getúlio Vargas finalmente realizada em 1941 com o percurso modificado e 3.731 Km. de extensão. Vencida por Juan Manuel Fangio..

1942 - Antecipando-se ao racionamento da gasolina criou uma comissão para cuidar dos interesses dos associados do A.C.B., inicialmente lançaram uma pesquisa para conhecer a necessidade dos mesmos; enviou ao Gen. Horta Barbosa, presidente do Conselho Nacional de Petróleo, oficio com sugestões além de oferecer os serviços do clube, e prestando-se a distribuir os cupons de racionamento eaos seus associados.

1943/44 - Ocupava os cargos de Superintendente do Departamento Automobilístico, Diretor da Sede e Diretor Comercial de todas as corridas de automóveis organizadas pelo A.C.B..

1945 - Apresentou pedido de demissão dos cargos que ocupava no A.C.B., aceito pelo presidente sr. Carlos Guinle, em 30 de janeiro.
Atuou como corretor por um bom tempo enquanto esteve afastado do automobilismo. Localizei diversos anúncios de imóveis em seu nome.
Nos anos 50 o A.C.B. alcançou seu auge como entidade esportiva, seus presidentes à época: Carlos Guinle (1933 – 1951), Hebert Moses (1951 – 1953) e General Sylvio Américo de Santa Rosa (1953 – 1968), Parkinson trabalhou com todos eles.

1951 - Realizou, junto com Pedro Santalucia e outros, o Rallye entre o Stand do A.C.B. na Exposição Rodoviária e a Fazenda Inglesa em Petrópolis, perfazendo 84 Km.

1952 - Participou ativamente na campanha para eleição do Gal. Sylvio Américo Santa Rosa para presidência do A.C.B..

1953 - Com a vitória de Santa Rosa foi também eleito membro do Conselho Deliberativo e Diretor da Comissão Desportiva. Após a posse Santa Rosa o designou Presidente da Comissão Desportiva devido a doença do Cel. Coelho Magalhães.
Aproveitando sua experiência como corretor imobiliário idealizou e organizou a Vila Automóvel Clube em uma área doada por Adriano Mauricio de Almeida em Adrianópolis, local onde também seria construído um Autódromo, antiga aspiração do A.C.B..

Acervo: Maria Elizabeth Parkinson

Organizou e teve a direção geral do “III Circuito Crônica Esportiva Carioca”, vencida por Chico Landi.
Dirigiu a realização de um rallye de 846 Km nas festividades de comemoração do 1º centenário da fundação da cidade de Teofilo Otoni (MG).
Participou novamente da organização e realização do “XIII Circuito da Gávea”, que só foi realizado em 1954.

1954 - Foi à Curitiba (PR) para tratar com Alberto Cominese (Presidente do ACP) a realização do “I GP Estado do Paraná” (que acabou não realizado)

1954 - No Circuito da Gávea
Fonte: Revista O Cruzeiro

A.C.B. homenageou Heron Domingues, o “Repórter Esso”, por apoiar o automobilismo e em especial o A.C.B., Parkinson entregou as medalhas e discursou.
Acompanhou Chico Landi, que foi para correr, à Buenos Aires, com Pedro Santalucia, observar a organização e funcionamento do autódromo.
Designado como Administrador Geral do Autódromo, com 61 anos de idade, presidiu o lançamento da pedra fundamental do autódromo em 19 de abril de 1954 com a presença de diversas autoridades, automobilistas e pilotos.
Realizou viagem à Venezuela, Equador e Peru para convidar pilotos a participarem do “XIV Circuito da Gávea” do ano seguinte, mas a prova acabou não sendo realizada.
Idealizou e organizou uma competição na Quinta da Boa Vista com a renda em beneficio das famílias dos bombeiros vítimas da catástrofe da Ilha do Braço Forte.

1955 - Em eleições no A.C.B. foi reeleito o Coronel Silvio Santa Rosa que, entre outras mudanças, convidou Segadas Viana para substituir Parkinson na presidência do Departamento Esportivo, deixando-o livre para administrar a construção do Autódromo de Adrianópolis:
“... vamos realizar, assim, o antigo sonho do presidente, cel. Santa Rosa, desde os tempos em que era presidente da Comissão Desportiva. Num terreno avaliado em 50 milhões de cruzeiros que nos foi doado pelo conselheiro Adriano Mauricio de Almeida estamos construindo a Vila Automóvel Clube e o autódromo, sem qualquer subvenção oficial, apenas com recursos provenientes da venda de áreas.” - O Jornal - RJ (23/03/1955)
Tentou, ainda como presidente da Comissão Desportiva, a realização do “Circuito da Gávea, mas a prova não foi realizada.
Escrevia artigos sobre automobilismo e autódromos para o SINGRA (Suplemento Intergráfico) do jornal Correio da Manhã (RJ), até 1959, que também saíam no jornal A Noite (RJ) e jornais de outros estados.

1957 - 1ª Prova em Adrianópolis, inauguração oficiosa, não oficial, pois a pista ainda não estava asfaltada.

Aspecto da terraplenagem Mais aspecto da terraplenagem 1957 - Fotos do evento da inauguração oficiosa 1957 - Uma das bandeiradas da primeira prova

Acervo: Maria Elizabeth Parkinson

1959 - Realizado, com a presença do governador do Rio, o “Rallye Automobilístico Roberto Silveira” com largada do Palácio do Ingá em Niterói e chegada no Autódromo Nacional de Adrianópolis.
Pela sua atuação à frente das obras do autódromo conseguiu com o governador Roberto Silveira a abertura de concorrência administrativa para a pavimentação da pista do autódromo, em outubro.

1960 - Em visita ao Autódromo de Adrianópolis o governador do Rio, Roberto Silveira, reafirmou a promessa de colaborar nas obras de pavimentação das pistas.
Esteve com a diretoria do A.C.B. em Brasília para acompanhar a prova “Grande Premio Juscelino Kubitschek” que fazia parte das comemorações da inauguração da nova capital do Brasil.
O Autódromo passa a se chamar Autódromo Roberto Silveira e Parkinson foi nomeado seu diretor.

1961 - Com o falecimento do governador Roberto Silveira em fevereiro de 61 as obras foram suspensas pelo novo governador dr. Celso Peçanha, não sendo mais retomadas pois o A.C.B. não tinha verba suficiente.

1964 - As ultimas noticias que consegui dele são editais de convocação para assembléia de condomínio, onde assinava como Administrador do Edif. Inconfidentes na Av. Graça Aranha (RJ), sendo a última convocação em 1967 avisando de seu falecimento e convocando novas eleições

1967 - Faleceu em 17 de agosto de 1967 aos 74 anos após uma cirurgia.

1959 - Fonte: Revista Carros a Vista - Panorâmica da terraplenagem
Acervo do Autor
Capa de folheto do Autodromo distribuído pelo A.C.B. em 1959
Acervo: Maria Elizabeth Parkinson
Revista Quatro Rodas - Abril de 1964

Colaboração:
Maria Elizabeth Parkinson (neta) e Napoleão Ribeiro (DF)
 

 

 

  
VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA