Uma visão dos nossos históricos anos sessenta e um pouco antes

Voltar  para  Página Inicial

Ir  para  "Lendas e histórias"

Pilotos:
Agnaldo de Goes Aldo Costa Alfredo Santilli Amauri Mesquita Antonio C. Aguiar Arlindo Aguiar Aroldo Louzada Bica Votnamis
Bird Clemente Bob Sharp Breno Fornari Caetano Damian Camillo Christofaro Carlos Sgarbi Catharino Andreatta Celso L. Barberis
Christian Bino Heins Ciro Cayres Domingos Papaleo Eduardo Celidonio Emerson Fittipaldi Emilio Zambelo Ênio Garcia Eugênio Martins
Francisco Lameirão Fritz D'Orey Graziela Fernandes Haroldo Vaz Lobo Henrique Casini Jan Balder Jaime Pistili Jayme Silva
José Tôco Martins Júlio Andreatta Luiz A. Margarido Luiz Carlos Valente Luiz Pereira Bueno Luiz Valente Marinho Nicola Papaleo
Nilo de Barros Vinhaes Norman Casari Orlando Menegaz Nastromagario Pedro C. Pereira Piero Gancia Raphael Gargiulo Ricardo Rodrigues de Moraes
Roberto Gallucci Roberto Gomez Salvador Cianciaruso Toninho Martins Victorio Azzalin Vitório Andreatta Waldemar Santilli Zoroastro Avon
Preparadores e/ou construtores:
Anísio Campos Jorge Lettry Miguel Crispim Nelson Brizzi Toni Bianco Victor Losacco    
Pioneiros:
Ângelo Juliano Benedicto Lopes Chico Landi Chico Marques Gino Bianco Hermano da Silva Ramos Irineu Correa João R. Parkinson
Manuel de Teffé Nascimento Junior Norberto Jung Sylvio A. Penteado Villafranca      

 

Página acrescentada em 22 de junho de 2009.  Atualizada em agosto de 2020.

Orlando Menegaz 
por Paulo Roberto Peralta

1962

Gaucho da cidade de São Francisco de Paula (RS) onde nasceu no dia 16 de agosto de 1918, e onde passou a infância e adolescência. Cedo começou a trabalhar com o pai e os tios na Indústria de Implementos Agrícolas Menegaz S/A, descobriu com seu pai, João Menegaz, o gosto pela metalurgia, fundição e o mundo automotivo.

Na década de 1940, já morando em Passo Fundo (RS), iniciou sua carreira automobilística aos vinte e poucos anos como acompanhante do piloto e amigo Alcídio Schroeder (o "Leão da Serra"), um dos pioneiros do automobilismo gaúcho. Juntos venceram uma prova de marcha à ré, na cidade de Carazinho (RS), correram em dupla novamente em 1950, a prova “Festa da Uva”, em Caxias do Sul (RS). Neste período participou também em corridas de motocicleta, na cidade de Passo Fundo (RS).

1956 - Correu a primeira Mil Milhas Brasileiras com sua carretera Ford

Comprou sua primeira “barata”no início de 1951, um Ford 1940, correu alguns anos com ela, uma dessas provas foi o "I Circuito da Boa Vizinhança" em agosto de 1951 em que abandonou para socorrer um piloto acidentado. Foi sua ultima prova no ano.

1952 - Não correu nenhuma prova.

1953 - Só participou de uma prova em Santa Catarina, "I Circuito Automobilístico de Lajes" onde conseguiu o 2º lugar.

1954 - Foram 5 provas, sendo que na ultima do ano, “Circuito Cinquentenário Ginásio Sto. Antonio” na cidade de Garibaldi (RS), sofreu um acidente, capotou sem gravidade.
Com esse carro disputou diversas provas, até 1956 na ”I Mil Milhas Brasileiras” em Interlagos, São Paulo (SP). quando a usou pela ultima vez

1955 - Foram só duas provas: "VI Circuito da Pedra Redonda" e "V Circuito Encosta da Serra".

1956 novamente foram duas provas: "IV Prova Antoninho Burlamaque" e sua primeira em um circuito fechado: "I Mil Milhas Brasileiras" no Autódromo de Interlagos, onde formando dupla com com Aido Finardi chegaram em 12º Lugar com sua carretera Ford.

Em 1957 Orlando Menegaz adquiriu e preparou um Chevrolet 1938, ainda com motor 6 cilindros para a “II Mil Milhas Brasileiras” daquele ano, encerrando suas atuações com a carretera Ford, que usou desde 1951. A troca foi conselho do grande amigo e defensor dos Chevrolet, o piloto Aristides Bertuol, um amigo no qual muito se inspirava.

1957 - Venceu a segunda Mil Milhas em dupla e com a carretera de Bertuol

Sua carretera até foi para São Paulo, mas acabou não sendo usada, correu em dupla com Aristides Bertuol em sua carretera Chevrolet nº 4, equipada com o primeiro motor Corvette completo trazido para o Brasil por Gastão Weigert. A dupla se consagrou vencedora desta prova mantendo assim a hegemonia do Rio Grande do Sul na prova, no ano anterior outra dupla gaucha havia vencido: Catharino Andreatta e Breno Fornari. Entrando dessa forma para a galeria dos grandes pilotos brasileiros.

1958 - Circuito Centenário de Passo Fundo - Disputa com Bertuol

A decisão do Campeonato Gaucho de 1957, que seria realizada no dia 22 de outubro de 1957, durante as comemorações do centenário de Passo Fundo, acabou sendo transferida devido as forte chuvas que ocorreram após a realização da prova da Categoria Standard.
Assim, no dia 2 de fevereiro de 1958 a prova se realizou. Bertuol disparou na frente sendo seguido implacavelmente por Menegaz, que corria pela primeira vez com motor Corvette equipando sua carretera Chevrolet. No início da 6ª volta, Menegaz roubou-lhe a primeira colocação conquistando uma emocionante vitória, alegrando o público passo-fundense.
Neste mesmo ano venceu o “Circuito Festa da Uva” em Caxias do Sul/RS.

Orlando e Arminda tiveram três filhos e uma filha, e ele, fugindo um pouco da tradição dos pilotos gaúchos de batizarem suas carreteras com nome de mulher, batizou a sua de “Caninana”, o nome de uma cobra, bastante rápida e ágil. Apesar de ser bastante agressiva, a cobra não é peçonhenta.

Foi um bom mecânico amador, tinha grande conhecimento, sempre viveu dentro de oficinas, gostava de lidar com seus carros e implementos agrícolas, era muito curioso e inventivo.
Sempre se preocupou com a segurança dos pilotos, foi o primeiro a usar cinto de segurança em carros de competição no Rio Grande do Sul.

Entre os troféus de Menegaz está a “Taça da Nobreza”, que recebeu dos organizadores da prova “Circuito da Boa Vizinhança”, em agosto de 1951, por ter abandonado a corrida, em boa colocação, para socorrer Rosalvo Mansur Francisco, piloto paulista ferido após violento acidente próximo à cidade de Marau. Socorreu Rosalvo em seu carro e o levou para o Hospital de Passo Fundo, salvando a vida do colega.

1958 - Circuito Automobilistico de Melo

Orlando correu algumas vezes no Uruguai, sendo que em uma em 1958 na cidade de Piriápolis, se defrontou com o grande piloto argentino Oscar Galvez. Chegou em 3º lugar.
Ainda em território uruguaio, correndo no Circuito de Melo, numa pista revestida de carvão de locomotiva e óleo queimado, com a presença de 11 pilotos, Orlando obteve a vitória travando uma disputa sensacional com o piloto uruguaio Rômulo Buonavoglia que largou na 1ª colocação, ele então perseguiu por 17 voltas o piloto uruguaio, e, com muito arrojo e técnica, ao iniciar a 18ª volta, investiu sobre o ponteiro e roubou-lhe a vitória.

Na primeira edição da prova "500 Quilômetros de Porto Alegre", Celso Lara Barberis, de São Paulo, na largada assumiu a ponta, mas logo foi ultrapassado por Menegaz que fechou a segunda volts com a média de 140 Km/h, poucas voltas depois foi alcançado por Bertuol e começou então um duelo acirrado, os dois se revezavam na ponta, mas na 18ª volta Menegaz parou no box e voltou em 3º lugar para pouco depois parar definitivamente na 25ª volta, por problemas no diferencial.

1958 - No primeiro 500 Quilômetros de Porto Alegre  participou com a “Caninana”

1958 - Largada da 500 Quilômetros de Porto Alegre
Sua carretera é a nº 24

1958 - Na entrada da reta da Av.Niemeyer
Orlando Menegaz e atrás Aristides Bertuol

 

1958 - Problemas na terceira edição da Mil Milhas

Na “III Mil Milhas Brasileiras” em 1958, Menegaz e Bertuol (correndo em dupla na carretera de Bertuol), tiveram uma prova muito acidentada. Chegaram a ocupar a 2ª posição por mais de 3 voltas, foi quando começaram os problemas. Primeiro, uma roda quebrada, depois, na Curva do Pinheirinho a ponta de eixo também quebrou, obrigando a uma parada de 40 minutos para soldar a peça. Retornaram à pista com muito cuidado e chegaram na 11ª posição.

Participou em dezembro da prova “Circuito da Cavalhada/Vila Nova” em Porto Alegre/RS, onde enfrentou Juan Galvez, que junto com seu irmão Oscar entraram para a história argentina como os principais pilotos de “carreteras” do país ao lado de Juan Manoel Fangio, que iniciou sua carreira nessa categoria.

Em 1959 não participou de nenhuma prova automobilística.

Em 1960 só participou de uma prova, a quinta edição da "Mil MIlhas Brasieiras" com sua carreteira e em parceria com Italo Bertão. Chegaram em 9º lugar.

Em 1961 fez duas provas, a primeira foi a "Prova Folha da Tarde", entre Cavalhada e Vila Nova, em dupla com Italo Bertão, chegaram em 4º lugar, em novembro venceu a “VI Mil Milhas Brasileiras” em Interlagos/SP pela segunda vez, agora fazendo dupla com Ítalo Bertão.
Nesta vitória contou com uma estratégia muito bem montada pela forte equipe de box, cronometragem comandada por Daniel Winik e Rui Barbisan.
Menegaz, no comando da nº 9, saiu na 11ª colocação e, volta por volta, foi ganhando posições. Após 60 voltas, ao passar o comando para Bertão, já estava na 5ª posição. Coube a Ítalo Bertão conduzir a carretera nº 9 à vitória, cruzando a linha de chegada com apenas 12 segundos de vantagem sobre o segundo colocado, Christian Heins, na mais emocionante chegada da história desta prova.

1960 - Sua carretera embarcando para São Paulo
V Mil MIlhas Brasileiras
1961 - Bandeirada na VI Mil Milhas Brasileiras
Consagrando o bi-campeonato
1961 - Bandeirada por outro angulo
Bandeirada para caretera, o DKW era retardatário
 
1962 - 12 Horas de Porto Alegre
Com FNM/JK
2000 nº 93

1962, naquele ano fez sua primeira e única corrida ao volante de uma carro nacional, o FNM/JK nº 93 de Ítalo Bertão, em dupla com ele, da prova "12 Horas de Porto Alegre".

1962 - 500 Quilômetros de Porto Alegre
1962 - 500 Quilômetros de Porto Alegre
2007 - Restaurada em Passo Fundo
Evento "Carreteras Históricas"

Participou também, dessa vez com a carretera, em dupla com Italo Bertão.da terceira edição da prova “500 Quilômetros de Porto Alegre”, no circuito da Pedra Redonda, venceu, mas após um acirrado duelo com Catharino Andreatta. onde se alternavam na primeira posição, Menegaz após uma rápida parada no box voltou, sem o capo, no encalço de Catharino, que logo em seguida parou por falha mecânica.

Encerrou nesta prova sua carreira de piloto, com 44 anos, e da melhor maneira possível: com uma vitória, para então dedicar-se a agricultura. Saindo de Passo Fundo foi para o Mato Grosso, na região de Dourados, sendo um dos pioneiros no plantio de soja neste estado. Posteriormente residiu em Pedro Juan Cavalero, no Paraguai e depois na década de 1970 fixou residência em Aracruz/ES.

Em Pedro Juan Cavalero, numa conversa com Bob Sharp, jornalista e também piloto de automóveis, comentando determinada corrida e falando sobre a transmissão curta do carro, o então ex-piloto de carretera disse:
"- O carro estava tão curto que o motor parecia correr mais do que o carro".

Orlando foi um pioneiro na busca de melhores condições de pilotagem neste esporte, instalando em seu carro um cinto de segurança, semelhante aos usados nos aviões DC-3 da Varig. Seus colegas recomendavam que não o usa-se, pois em caso de acidente ele ficaria amarrado dentro do carro e o perigo de incêndio era muito grande.

Orlando se divertia muito ao contar como isso ocorreu: ao fazer uma viagem aérea entre São Paulo e Porto Alegre, percebeu a eficiência e a simplicidade do mecanismo dos cintos de segurança usados no avião, e sugeriu para seu colaborador Nelson M. Da Rocha que ele fizesse uma viagem aérea o mais breve possível levando consigo as chaves apropriadas para, num momento de distração da aeromoça, desparafusar e trazer consigo o acessório, que tão logo chegou às suas mãos foi copiado e adaptado à sua carretera. Mas ele era uma figura folclórica, muito alegre, um grande contador de histórias, e muitas eram inventadas para alegrar os ouvintes, nem sempre confiáveis.

2007
Carreteras Históricas

Quando Orlando mudou-se para Dourados, no Mato Grosso e levou sua carretera, foi rodando com ela. Em sua permanência no Mato Grosso ele, com freqüência, a usava para ir a Campo Grande, Ponta Porã e adjacências, levantando poeira, andando como se estivesse nos circuitos de corrida.

Em 1965 o carro foi negociado com a família de Bertão e levado para Passo Fundo. Em 1997, este carro foi totalmente restaurado pelo colecionador Paulo Trevisan e hoje faz parte do acervo do Museu do Automobilismo Brasileiro, de sua propriedade.

Orlando dedicou sua vida ao automobilismo e a agricultura. Faleceu em 20 de agosto de 2000, com 82 anos, na cidade de Aracruz/ES, onde havia passado a residir no final da década de 60. Terminou sua vida muito lúcido e ainda apaixonado por carros e corridas.

Vejam vídeo de sua ultima prova: https://youtu.be/TW_UtLjyM80


Participações em provas
Fonte: Site da "Associação Cultural Museu do Automobilismo Brasileiro"

05/03/1950 - Circuito Festa da Uva - Caxias do Sul/RS - Carretera Ford 3.917cc nº 54 - c/Alcides Schroeder - TFL - 3º Lugar
22/07/1951 - I Circuito da Boa Vizinhança/RS - Carretera Ford 3.917cc nº 24 - TFL - AB
20/11/1953 - I Circuito Automobilístico de Lajes - Lajes/SC - Carretera Ford 3.917cc nº 24 -
TFL - 2º Lugar
21/02/1954 - II Prova Antoninho Burlamaque/RS - Carretera Ford 3.917cc nº 24 - TFL - 4º Lugar
28/03/1954 - II Circuito Festa da Uva - Caxias do Sul/RS - Carretera Ford 3.917cc nº 24 -
TFL - 8º Lugar
02/05/1954 - III Circuito Encosta da Serra - S. Francisco de Paula/RS - Carretera Ford 3.917cc nº 24 - TFL - 7º Lugar
16/05/1954 - Grande Premio Cidade de Melo - Uruguai - Carretera Ford 3.917cc nº 24 -
TFL - 8º Lugar
12/09/1954 - Circuito Cinqüentenário Ginásio Sto. Antonio - Garibaldi/RS - Carretera Ford 3.917cc nº 24 - TFL - AC (Capotou)
19/06/1955 - VI Circuito da Pedra Redonda - Porto Alegre/RS - Carretera Ford 3.917cc nº 24 -
TFL - 4º Lugar   
20/11/1955 - V Circuito Encosta da Serra - S. Francisco de Paula/RS - Carretera Ford 3.917cc nº 24 - TFL - 6º Lugar   
26/02/1956 - IV Prova Antoninho Burlamaque/RS - Carretera Ford 3.917cc nº 24 -
TFL - 7º Lugar
24/11/1956 - I Mil Milhas Brasileiras - Interlagos/SP - Carretera Ford V8 3.622cc nº 8 - c/Aido Finardi - TFL - 12º Lugar
23/11/1957 - II Mil Milhas Brasileiras - Interlagos/SP - Chevrolet/Corvette 4.343cc nº 4 - c/Aristides Bertuol -
TFL - 1º Lugar
02/02/1958 - Circuito Centenário de Passo Fundo/RS - Chevrolet/Corvette 4.343cc nº 24 - TFL - 1º Lugar
09/03/1958 - Circuito Festa da Uva - Caxias do Sul/RS - Chevrolet/Corvette 4.343cc nº 24 -
TFL - 1º Lugar
23/03/1958 - Circuito Internacional de Automobilismo - Piriapolis (URU) - Chevrolet/Corvette 4.343cc nº 24 - TFL - 3º Lugar
30/03/1958 - Circuito Automobilistico de Melo - Uruguai - Chevrolet/Corvette 4.343cc nº 24 -
TFL - 1º Lugar
15/06/1958 - I 500 Quilômetros de Porto Alegre/RS - Chevrolet/Corvette 4.343cc nº 24 - TFL - AB
22/11/1958 - III Mil Milhas Brasileiras - Interlagos/SP - Chevrolet/Corvette 4.343cc nº 4 - c/Aristides Bertuol -
TFL - 11º Lugar
14/12/1958 - Circuito Cavalhada-Vila Nova/RS - Chevrolet/Corvette 4.343cc nº 24 - TFL - 3º Lugar
26/11/1960 - V Mil Milhas Brasileiras - Interlagos/SP - Chevrolet/Corvette 4.343cc nº 24 - c/Italo Bertão -
TFL - 9º Lugar
23/04/1961 - Prova Folha da Tarde - Cavalhada-Vila Nova/RS - Chevrolet/Corvette 4.343cc nº 4 - c/Italo Bertão - TFL - 4º Lugar
25/11/1961 - VI Mil Milhas Brasileiras - Interlagos/SP - Chevrolet/Corvette 4.343cc nº 9 - c/Italo Bertão -
TFL - 1º Lugar
06/05/1962 - I 12 Horas de Porto Alegre/RS - FNM 2000 JK 1.975cc nº 93 - c/Italo Bertão - 8º na geral e 4º na Classe C
23/09/1962 - III 500 Quilômetros de Porto Alegre/RS - Chevrolet/Corvette 4.343cc nº 1 - TFL - 1º Lugar

Agradecimentos: 
Gilberto Menegaz (RS) e Paulo Afonso Trevisan (RS)
Museu do Automobilismo Brasileiro
Consulta e fotos: Livro "Levantando Poeira" escrito por Gilberto Menegaz - Imagens da Terra Editora
Fotos coloridas: acervo do autor


VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA
ou
VOLTAR À PÁGINA INICIAL