Uma visão dos nossos históricos anos sessenta e um pouco antes

Voltar  para  Página Inicial

Ir  para  "Lendas e histórias"

Pilotos:
Agnaldo de Goes Aldo Costa Alfredo Santilli Amauri Mesquita Antonio C. Aguiar Arlindo Aguiar Aroldo Louzada Bica Votnamis
Bird Clemente Bob Sharp Breno Fornari Caetano Damian Camillo Christofaro Carlos Sgarbi Catharino Andreatta Celso L. Barberis
Christian Bino Heins Ciro Cayres Domingos Papaleo Eduardo Celidonio Emerson Fittipaldi Emilio Zambelo Ênio Garcia Eugênio Martins
Francisco Lameirão Fritz D'Orey Graziela Fernandes Haroldo Vaz Lobo Henrique Casini Jan Balder Jaime Pistili Jayme Silva
José Tôco Martins Júlio Andreatta Luiz A. Margarido Luiz Carlos Valente Luiz Pereira Bueno Luiz Valente Marinho Nicola Papaleo
Nilo de Barros Vinhaes Norman Casari Orlando Menegaz Nastromagario Pedro C. Pereira Piero Gancia Raphael Gargiulo Ricardo Rodrigues de Moraes
Roberto Gallucci Roberto Gomez Salvador Cianciaruso Toninho Martins Victorio Azzalin Vitório Andreatta Waldemar Santilli Zoroastro Avon
Preparadores e/ou construtores:
Anísio Campos Jorge Lettry Miguel Crispim Nelson Brizzi Toni Bianco Victor Losacco    
Pioneiros:
Ângelo Juliano Benedicto Lopes Chico Landi Chico Marques Gino Bianco Hermano da Silva Ramos Irineu Correa João R. Parkinson
Manuel de Teffé Nascimento Junior Norberto Jung Sylvio A. Penteado Villafranca      

 

Página acrescentada em 22 de julho de 2008  -  Atualizada em dezembro de 2020

Aroldo Louzada 

por Paulo Roberto Peralta

1963

Nasceu na cidade de Matão, região central do estado de São Paulo, no dia 09 de fevereiro de 1930, filho do oficial da Policia Militar Pedro Louzada e de Dna. Jacomina Natal, tinha uma irmã, quando era criança ainda  a família se mudou para São Paulo (devido a transferência de seu pai) indo morar no Bairro do Tatuapé.
Lá cresceu, estudou e se iniciou na prática esportiva, praticou remo no Sport Club Corinthians Paulista, aonde chegou a vencer um campeonato. Depois participou de corridas de bicicleta e de motos, sempre como amador.
No bairro abriu com o pai a empresa de plásticos, Louzada & Louzada Ltda., casou-se, fixou residência na Rua Francisco Marengo, abriu oficina mecânica e aos 33 anos começou a correr de automóveis.

1963, no mês de março inscreveu-se na prova “12 Horas de Interlagos” para carros nacionais, correu com um carro Simca Chambord tendo como parceiros: Alcides Camporezzi e Arnaldo de Almeida.

1963 - Fotos de sua participação na prova 12 Horas de Interlagos

Logo em seguida participou de outra prova longa, a “12 Horas de Brasília”, a bordo de um Simca Rallye em dupla com Justino de Maio, corredor do Tatuapé (que viria a vencer a prova “Mil Milhas Brasileiras” de 1965). A prova fazia parte dos festejos comemorativos do 3º aniversário de Brasília, a Capital Federal.

1963 - II Prêmio Aniversário ACESP - Treinos
Reproduçõs de jornal da época

Como sua aspiração era correr com verdadeiros carros de corrida, não com carros de turismo tipo GEIA (Grupo Executivo da Indústria Automobilística) que eram quase originais, nem os pára-choques eram retirados, comprou então de Ubaldo Cesar Lolli um carro Maserati, monoposto da categoria Mecânica Nacional abaixo de 2.500cc., no qual Lolli havia instalado um motor Simca V8 nacional, com 2.432cc.

Sua primeira corrida com a Maserati/Simca foi à prova de aniversário do ACESP (Automóvel Clube do Estado de São Paulo), correu em parceria com Arnaldo de Almeida e chegou em 3º lugar em sua categoria (MN - 2.5).

Já que tinha um verdadeiro “carro de corrida” não podia ficar de fora da maior prova da categoria, o “500 Quilômetros de Interlagos” realizado no Dia da Independência, 7 de setembro, pelo anel externo da pista antiga de Interlagos. Sua máquina, a Maserati/Simca foi preparada por ele mesmo em sua oficina da Rua Vilela, mas ela o traiu, pouco antes da largada quebrou, e por isso não pode correr, sua participação se limitou aos treinos e à classificação.
"... por quebras, horas antes do larga, mão participaram o nº 47, Maserati-Simca de Aroldo Louzada e o ..." - Folha de S.Paulo (10/09/1963)

No final de 1963 participou da prova “1500 Quilômetros de Interlagos”, com o Simca Rallye, dessa vez em parceria com Victório Azzalin, outro piloto do Tatuapé (que viria vencer a prova “VII Mil Milhas Brasileiras” em 1965, com Justino de Maio), teve o motor fundido no inicio da madrugada.
"- Corri uma vez com o Louzada, a Simca quebrou bem na entrada do Pinheirinho
Me falou Victório Azzalin numa conversa.

Em 1964 participou do “Prêmio Rogê Ferreira”, de novo com sua Maserati/Simca nº 47, e novamente ficou com o 3º lugar na categoria MN - 2.5, apesar de ter chegado em 11º na geral.

1964 - Prêmo Constantino Cury
Maserati 300S de Camillo

Para a prova seguinte, “Prêmio Constantino Cury”, vendeu a Maserati/Simca para o amigo Ayres Bueno Vidal e correu com uma Maserati 300S de 3.000cc. nº 47 de outro amigo, Camillo Christofaro (emprestada ou alugada) e terminou em 1º lugar na categoria esporte .

Nesse ano não correu mais, dedicou-se apenas à sua oficina, a “Mecânicos Reunidos”, especializada em carros da marca Simca, mas que também atendia outras marcas e ficava no bairro do Tatuapé.

1964 - 250 Milhas de Interlagos
A Maserati/Simca, agora já de Ayres Bueno Vidal
 

No ano seguinte, 1965, tendo já desistido de correr, foi convidado pelo amigo Ayres Bueno Vidal a fazer dupla em sua Carretera/Ford nº 1 da prova “II1600 Quilômetros de Interlagos”, 200 voltas pelo circuito completo (pista antiga de 8 km), prova que foi marcada pelo grande numero de quebras, largaram 32 carros, e só 13 cruzaram a linha de chegada. Eles apesar de estarem indo bem foram uns dos que abandonaram por quebra, na volta 39. Muitos quebraram ainda mais cedo, pelo numero de voltas seriam 23º colocados. (Folha de S,Paulo - 29/03/1965)

Depois dessa prova não correu mais, tinha 35 anos na época, manteve por alguns poucos anos a oficina mecânica.
 
Sempre foi um apaixonado por motos e com uma delas sofreu um grave acidente que o obrigou a ficar parado por muito tempo.

Quando largou a oficina mudou para outro ramo de negócios que nada tinha a ver com automóveis ou automobilismo, passou para o ramo gráfico onde se saiu muito bem, chegando mesmo a abrir uma empresa: “Lixto - Serviços Gráficos em geral - Off-set, tipografia e fotolito”, por essa época mudou sua residência para o bairro do Brás, vizinho ao Tatuapé.

Aroldo foi casado por duas vezes, no primeiro casamento teve um filho e uma filha, e no segundo teve dois filhos.

Aroldo faleceu aos 68 anos de idade em 29 de fevereiro de 1998, vitima de um ataque do coração fulminante.

 

Participações em provas

10/03/1963 - II 12 Horas de Interlagos/SP - Simca Chambord 2.432cc nº 48 - C/Alcides Camporezzi/Arnaldo de Almeida - 24º na geral e 10º na T+1.3
28/04/1963 - I 12 Horas de Brasília - Trampolim do Eixo/DF - Simca Rallye 2.432cc nº 48 - C/Justino de Maio -
TC - ND
30/06/1963 - II Prêmio Aniversário ACESP - Interlagos/SP - Maserati/Simca 2.432cc nº 48 - C/Arnaldo de Almeida -
10º na geral e 3º na MN-2.5
07/09/1963 - VI 500 Quilômetros de Interlagos/SPMaserati/Simca 2.432cc nº 47 -
MN-2.5 - Não largou, carro quebrou.
10/11/1963 - I 1500 Quilômetros de Interlagos/SP - Simca Rallye 2.432cc nº 19 - C/Victorio Azzalin Fº -
T+1.6 - AB
08/03/1964 - GP Rogê Ferreira - Interlagos/SP - Maserati/Simca 2.898cc nº 47 -
11º na geral e 3º na MN-2.5 
26/04/1964 - Prêmio Constantino Cury - Interlagos/SP - Maserati 300S 2.898cc nº 47 -
5º na geral e 1º na SP-3.0
27/03/1965 - II 1600 Quilômetros de Interlagos/SP - Carretera Ford V-8 3.917cc nº 1 - C/Ayres Bueno Vidal -
TFL - AB


Agradecimentos: 
Haroldo Louzada Junior (SP); Ricardo Cunha (SP) e Napoleão Ribeiro (DF).


VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA
ou
VOLTAR À PÁGINA INICIAL