Uma visão dos nossos históricos anos sessenta, e um pouco antes

Paixão, suor e graxa!
 Automobilismo Pioneiro, por Paulo Roberto Peralta
 
                                                                                                               

24 Horas de Interlagos/60

”Bandeira Quadriculada” se propõe a fazer um tributo à todos pilotos dos anos 60, e um pouco antes, que corriam por "amor à arte", abnegados amadores que mesmo sacrificando muitas vezes a família, orçamento, amizades, etc. disputavam memoráveis provas, aqui representados por alguns poucos que mesmo não tendo a projeção de um Chico Landi, Camillo Christofaro ou um Catharino ou Júlio Andreatta, eram muito bons e disputavam largada a largada, curva a curva, freada a freada, a vitória nas provas em que participavam. Ganhavam, perdiam, não importa, participavam.
Alguns dizem: "tempos românticos", eu diria que eram tempos de um idealismo visceral.

Aqui, os fãs do Senna vão saber que já havia automobilismo, e muito bom, antes mesmo dele nascer ou começar a correr. Se não tivessem existido estes, não teria havido condições de surgirem pilotos como Fittipaldi, Piquet e o próprio Senna (só para citar os três mais famosos) além de muitos outros grandes nomes. A grande dedicação e
perseverança desses pilotos é que criou condições para o automobilismo evoluir.

No Brasil e na América do Sul as corridas automobilísticas, "oficialmente", tiveram início dia 26 de julho de 1908 com a realização da prova “Circuito de Itapecerica” promovida pelo recém fundado “Automóvel Clube de São Paulo”: iniciando no Parque Antártica em São Paulo, indo até o centro de Itapecerica, que ainda não era da Serra, retornando e terminando no Parque Antártica perfazendo um total de 75 Km. Sylvio Álvares Penteado venceu a prova com um Fiat 40 hp.



Nas décadas de 30 e 40, com a realização dos “GP Cidade do Rio de Janeiro” no Circuito da Gávea, ou popularmente chamado de “Trampolim do Diabo”, e depois com a inauguração em 12 de maio de 1940 do Autódromo de Interlagos, o primeiro autódromo do Brasil, vieram para cá diversas equipes e pilotos internacionais.

Av. Paulista (São Paulo) em 1926
Passando pelo Parque Trianon

Em 1951 realizou-se pela primeira vez na América Latina uma prova de longa duração: as “24 Horas de Interlagos Mercedes-Benz”, só com carros dessa marca (mod. 170D), à gasolina ou à diesel, vencida pela dupla Godofredo / Buonacorsa na categoria gasolina e por Chico Marques / Chico Azevedo na categoria diesel. A partir daí teve inicio uma fase  chamada de “romântica” no automobilismo brasileiro, eu diria que era uma fase de um idealismo fanático, era muita  “paixão, suor e graxa”. Uma época onde imperava o amadorismo, os pilotos arcavam com suas próprias despesas, então, no Brasil da época, corria era quem tinha muito dinheiro ou quem tinha muita paixão, corria-se basicamente em quatro categorias: Turismo, Carreteras, Monopostos (Mecânica Nacional e Mecânica Continental) e também com carros esporte, com motores originais ou não, correndo quase sempre juntos com os monopostos, mas com uma classificação geral e outra por categorias.
Os carros de turismo nacionais só passaram a ser usados a partir de 1959, e é nesse ano também que faz sua estréia nas Mil Milhas, a primeira equipe de competição representando uma fábrica, a Vemag, mas correndo como uma equipe de testes, ainda não uma equipe de competição "oficial de fábrica", a partir de 61 que se adotou oficialmente o nome Equipe Vemag. Por essa época surgiram também outras equipes de fábrica, FNM (60), Simca (61), Willys (62) e uma nova geração de excelentes pilotos que se destacavam pela ousadia: com carros de 1.000, 2.000cc. desafiavam e às vezes até venciam as poderosas carreteras de 3.000, 4.000, 4.500cc.
 
As Carreteras eram cupês americanos e alguns poucos europeus dos anos 30 a 50, com carroceria modificada, equipados com fortíssimos motores americanos: Corvette, Thunderbird, Cadillac, Studebaker, Ford e outros. Supervelozes nas retas mas terríveis nas curvas, seu ponto fraco eram as suspensões.
 

Evolução de uma carretera

José Gimenez/Landi/57 Camillo Cristófaro/Barberis/60 Catharino/Vitório/65 Hoje: Restaurada no Museu

Carretera Chevrolet Coupe 1939/Corvette 4.500cc.
Construída em 1957 por Victor Losacco para José Gimenez Lopes com as seguintes especificações:
chassi montado de cabeça para baixo objetivando rebaixar o centro de gravidade, foi instalada uma suspensão dianteira com rodas independentes, um possante motor Corvette preparado que contava com a alimentação de dois carburadores Weber quádruplos, motor este, instalado bem recuado, mais para o centro do carro, com o objetivo de  melhorar a distribuição de peso entre-eixos. Gimenez disputou com ela as Mil Milhas de 57 e 58 em dupla com Chico Landi, e a de 59 com Camillo Christófaro, depois em 60 a vendeu para Camillo que disputou, entre outras provas, as Mil Milhas de 60 e 61 em dupla com Celso Lara Barberis. Depois Camillo a vendeu ao Catharino Andreatta que disputou diversas provas, inclusive sua última Mil Milhas (65) em dupla com o filho Vitório Andreatta, onde um problema mecânico os tirou da prova, depois foi vendida para José Cury, do Paraná e depois foi vendida para colecionadores e hoje está restaurada no Museu do Automobilismo Brasileiro em Passo Fundo (RS).
Descrição da carretera fornecida pelos irmãos Felipe e Vinicius Losacco. Obrigado à eles.


Os Mecânica Nacional (ou Continental após a disputa do Torneio Triangular Sul-Americano em 1958) eram antigos monopostos europeus, principalmente Maserati, Ferrari, Talbot e Alfa Romeo, comprados de pilotos ou equipes que vinham ao Brasil (ou Argentina) disputar provas, e devido ao alto preço do transporte marítimo, vendiam. Passavam também a ser equipados com possantes motores americanos pois era praticamente impossível conseguir motores ou peças originais. Fico só pensando no sufoco que o pessoal passava para importar uma peça de Corvette dos EUA, imagine então importar uma peça da Europa, e de uma fábrica de carros de corrida (o custo e o prazo).
 
Eram carros híbridos, todos com motor dianteiro e feitos em oficinas não especializadas, não existia isso ainda, usava-se muito improviso: chassi de um carro, motor de outro, cambio e transmissão de outro ainda, e mesmo assim, geralmente, ganhavam as corridas mais importantes.
Mas considerando as dificuldades da época, os caras eram verdadeiros heróis. Manter carros de fórmula ou de turismo dos anos 30 correndo no Brasil, na década de 60, com a tecnologia e as dificuldades da época e não havendo profissionalismo, tudo era bancado pelo próprio piloto (compra, preparo e manutenção do carro), patrocin
adores eram poucos e geralmente na base do "eu te dou um produto meu (bateria, amortecedor, pneu, etc) e te pago a inscrição, a gasolina, ou o transporte", pessoal de box em geral eram amigos, havia, é claro, os que tinham oficina mecânica e aí levavam seus profissionais, era um verdadeiro ato de heroísmo, era muita paixão, suor e graxa”.
 

WebMaster prperalta

VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA
ou
VOLTAR À PÁGINA INICIAL