Um pouco das lendas e das histórias do automobilismo dos anos sessenta

Lendas e Histórias / DKW Vinhaes – O “xis” da questão / Paixão não se explica, se vive / Pneu voador / Bambino! / O caso Casini /

Lapsos de memória / E surge um piloto / Fangio e a propaganda / Landi/Bianco/JK / Carcará II / Senador / Caçador de Estrelas /

 Simca "Norma Bengell" /


Paixão não se explica, se vive

Algum tempo atrás, em 2003, quando houve a morte da mãe dos irmãos Schumacher, inúmeras pessoas se escandalizaram com a decisão dos dois em participar da corrida de Imola saindo diretamente do velório para a pista. Muitas páginas de jornais, sites e revistas foram gastas para debater o assunto.
Mas aqui mesmo, em terras tupiniquins, aconteceu um caso muito semelhante que nem ao menos chegou às páginas dos jornais ou revistas, na época não existia Internet. Eu mesmo só fiquei sabendo ao conversar com Margarido para sua página no site.

Corria o ano de 1956, quando Wilson Fittipaldi (o “Barão”, pai do Emerson e do Wilsinho) e Eloy Gogliano (do Centauro Motor Clube) criaram as Mil Milhas Brasileiras. Wilson ia ao autódromo de Interlagos de táxi e para isso procurava seu amigo Luiz Américo Margarido, que mesmo sendo proprietário de uma frota ainda guiava um deles. Seus táxis faziam ponto na Praça da Republica, então o centro nevrálgico de São Paulo.
O "Barão", conhecendo suas habilidades ao volante, o convidou e incentivou a participar. Margarido então começou, de táxi mesmo, a dar umas voltas na pista sempre que ia levar o “Barão”, e após muitas derrapadas e protestos de pilotos que diziam “se esse chofer de praça participar eu não participo, ele é um perigo”, comprou de Caetano Damiani uma carretera Chevrolet 6 cilindros para poder correr. Mas, antes fez uma prova de estréia. E foi aí que o vírus da velocidade o pegou definitivamente.

As Mil Milhas foram realizadas no dia 24 de novembro de 1956, um sábado, e Margarido estava inscrito em dupla com Manuel Luis Canteiro. Mas, fatalidade: na sexta-feira anterior à prova seu pai veio a falecer. Margarido, após passar uma noite inteira no velório e ir ao enterro no sábado, tomou um banho e foi direto ao autódromo alinhar sua carreteira para a largada, que foi dada às 19 horas.
E após pouco mais de 16 horas de prova, cruzou a linha de chegada ocupando o 14º lugar entre os 31 carros que largaram, e sem nenhuma derrapada.

Foi uma vitória pessoal que dedicou, sem dúvida, ao pai.

 

VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA
ou
VOLTAR À PÁGINA INICIAL