Um pouco das lendas e das histórias do automobilismo dos anos sessenta
 

VOLTAR PARA PÁGINA INICIAL

Grande Prêmio Thermal de Poços de Caldas
30 de março de 1936
 
 
 
 
Pesquisa personalizada



Em 1935 três esportistas da cidade de Campinas (SP) realizaram uma corrida na cidade, a “Volta do Chapadão”, marcada inicialmente para o dia 16 de junho de 1935, mas que não pode ser realizada devido ás fortes chuvas da semana anterior ao evento que desmanchou a pista de terra vermelha que havia sido demarcada e preparada para a prova fazendo com que a mesma fosse adiada para dia 23 de junho, uma semana depois, e foi um sucesso. Francisco Landi venceu, mas o ídolo local Benedicto Lopes, o “campineiro voador”, teve um pequeno acidente na 20ª volta, abandonando.
Logo em seguida á prova, em 30 de junho, os mesmos esportistas: Dante di Bartolomeo, Quintino Maudoneet e J. Sampaio Freire fundaram o Automóvel Clube do Estado de São Paulo (ACESP), que teve como seu primeiro presidente Dante Di Bartolomeo.
A fundação do clube mereceu um telegrama enviado pelo Automóvel Clube do Brasil, do Rio de Janeiro, então a entidade máxima do automobilismo brasileiro.
Pouco após o “Circuito do Chapadão” o ACESP realizou sua primeira prova, a “Semana Automobilística”, de 22 a 29 de março, e que tinha como prova principal a “Thermal Poços de Caldas” destinada aos “carros adaptados de corrida”, as anteriores eram provas regionais para pilotos amadores em carros de turismo originais.
Combinada a “Semana Automobilistica”, teve ella inicio a 22, domingo, com diversas e interessantes provas de arrojo, embora não estivessem presentes todos os competidores, pois que a principal prova será realizada na tarde do dia 29, domingo próximo”.
(Folha da Manhã - 29/03/1936)

Recorte da "Revista de Poços de Caldas" nº 298 de fevereiro de 1936


A “Semana” começou no dia 22, mas já no dia 18 chegou a Poços o pessoal do A.C.B., do Rio de Janeiro para dar supervisão técnica às provas.
Para aqui vieram dia 18 do corrente vários techinicos em assumptos automobilísticos, entre os quais o cidadão espanhol sr. Antonio N. Fernandez, do “Automóvel Clube do Rio de Janeiro”, para concertar os planos das grandes competições com elementos de S.Paulo e Minas, dada a importância da prova do dia 29”.
(Folha da Manhã - 29/03/1936)

Pois com esse sr. Fernandez aconteceu um incidente que acabou por lhe causar a morte e “roubou” o noticiário da corrida. Vejam como o jornal publicado dia 29 descreve, com matéria escrita na véspera:
Pela manhã de 23, o sr. Fernandez que se achava hospedado no Hotel Rex, situado na bellíssima Praça dr. Pedro Sanches, regressou aos seus aposentos no hotel, tendo logo a entrada chamado o “garçon” Rene Mesquita para servi-lo de café.
O “garçon” em obediência á praxe do hotel fez-lhe ver que era outro o encarregado desse serviço.
O sr. Fernandez protesta contra a resposta recebida, erguendo-se da cadeira e avançando para Mesquita em quem desfere um soco e uma bofetada.
Rene, aggredido inesperadamente, revida a agressão soffrida, havendo luta corporal e logo depois o arremesso de uma cadeira contra o hospede, não passando dahi o incidente com a intervenção de outros hospedes e mesmo de “garçons” do Rex.
Entretanto, horas depois ao ser servido o almoço, alguns hospedes do Rex encheram o “garçon” Mesquita de perguntas, facto esse que irritava o empregado do citado estabelecimento, porque as perguntas eram feitas de modo a diminuil-o perante os seus colegas de trabalho.
Taes foram as imprudencias de interrogações e tantas foram as curiosidades manifestadas, para saber o desenrolar da scena, que Mesquita, terminado o seu trabalho, sahiu em direção à sua residência para voltar armado de um revolver.
Ao chegar à Praça Dr. Pedro Sanches, o esbofeteado encontrou-se com seu aggressor, sahia da P.R.H.5, rádio de Poços de Caldas, situadaá mesma praça.
Sem proferir palavra, Rene sacca que trazia no bolso da calça e desfecha contra Fernandez dois tiros, fugindo em seguida em direcção á estrada que vae para o interior de Minas.
Immediatamente socorrida por pessoas que se achavam no local, mas que não tinham tempo de evitar a perpetuação do delicto a victima foi conduzida para a Santa Casa de Misericórdia onde dois facultativos da cidade lhe prestaram a assistencia que o seu estado reclamava.
Dois foram os ferimentos, um grave, com penetração no estomago, com perfuração das paredes estomacaes, indo o projectilalojar-se na columna vertecbral e outro no terçomedio da coxa esquerda, com fractura do femur.
Dada a gravidade dos ferimentos recebidos Fernandez veio a fallecer ás 13 horas de hoje, embora todos os recursos médicos e cirúrgicos fossem postos em pratica.
O “garçon” Rene Mesquita no mesmo dia foi preso, sendo recolhido á Cadeia publica local, ao mesmo tempo que a autoridade policial proseguia na marcha do processo, ouvindo as partes, victima e aggressor da segunda scena delictuosa, algumas testemunhas presenciaes dodelicto, facto que obrigou o Delegado de policia a requerer a prisão preventiva de Rene Mesquita, decretada pelo Juiz de Direito da Comarca.
É de louvar-se a imparcialidade com que está sendo feito o inquérito policial, de um lado um representante do Automóvel Clube do Rio de Janeiro, de outro um “garçon” geralmente conhecido e estimado na localidade, moço que em 1932 deixando os seus serviços profissionaes foi apresentar-se em Campinas para servir á Revolução Constitucionalista de São Paulo.
Amanhã as autoridades locaes providenciarão sobre a autopsia do cadáver do malogrado automobilista, cujos funeraes serão realizados nessa cidade
”.

Os organizadores resolveram cumprir 24 horas de luto, o que não impediria a realização da prova, pois estava marcada para a tarde de domingo, e teria um percurso de 200 km. por um circuito nas ruas da cidade.
Dia 29, domingo, entretanto o mau tempo reinava e fez com que a prova tivesse que ser adiada para o dia seguinte (30) ás 10 horas.
Na segunda-feira, com uma surpreendente multidão, mas com atraso de meia hora foi dada a largada, Nascimento Junior com um Ford V8 adaptado saiu na frente, posição que manteve até o final da prova, levando para isso 2 horas e 30 minutos a uma média de 80 km/h (dados coletados em jornais da época, não sei a precisão deles), a bandeira quadriculada da vitória foi agitada pelo prefeito, Dr. Francisco de Paulo Assis Figueiredo.

Foto da prova, tomada "emprestada" do site www.memoriadepocos.com.br 

A chegada foi anotada assim:
1- Nascimento Junior (SP); 2- Vicente Hugo (SP); 3- Domingos Lopes (RJ); 4- Olyntho Pereira (RS); 5- Nicola Corvino (SP) e 6- Cicero Marques Porto (RJ).
Benedicto Lopes, carioca, fez toda a prova em segundo lugar, mas na ultima volta aconteceu um problema mecânico no motor de seu Ford V8 adaptado causando sua desistência. Benedicto era paulista, de Campinas, mas morando no Rio de Janeiro era considerado piloto carioca. Outro carioca a desistir foi Manuel de Teffé com sua Alfa Romeu.

Na noite do dia 30 a prefeitura ofereceu uma recepção aos participantes da prova onde foram entregues os prêmios:
1º Lugar: Nascimento Junior - Ford V8 adaptado
20 contos de réis + Medalha de bronze e um Distintivo de lapela com um “Az de Ouro”
2º Lugar: Domingos Lopes - Hudson adaptado
10 contos de réis e um Distintivo de lapela com um “Az de Copas”
3º Lugar: Vicente Hugo - Ford V8 adaptado
8 contos de réis e um Distintivo de lapela com um “Az de Espadas”
4º Lugar: Olyntho Pereira - Ford V8 adaptado
8 contos de réis e um Distintivo de lapela com um “Az de Paus”

Ronaldo “Topete”, de Campinas, que construiu em 2011 uma replica de um “adaptado de corrida”, foi á Poços de Caldas em agosto para participar do “IV Poços Classic Car” e lá ficou sabendo dessa história e foi conferir, esteve no cemitério onde localizou o tumulo de Fernandez e nos enviou foto do mesmo.

Ford V8 adaptado de Ronaldo em Poços de Caldas no  
“IV Poços Classic Car”- 2011

"Como é que não levaram até hoje essa placa do tumulo?" disse Paulo Trevisan quando viu a foto.

Acrescentada dia 30 de dezembro de 2011
 
 

 


VOLTAR AO TOPO DA PÁGINA
ou
VOLTAR À PÁGINA INICIAL